O surrealismo canalha da direita brasileira

A direita brasileira é surreal. Quase não dá pra saber se é mal-caratismo ou pura estupidez, mesmo.

Exemplos não faltam: é polícia dizendo que Bakunin era um “potencial suspeito” de organizar ações violentas no Rio de Janeiro em 2014. São promotores que não sabem a diferença entre Engels e Hegel. É uma vereadora do Rio de Janeiro que acha que a Venezuela é governada pelo Seu Madruga. São vários vereadores de várias cidades propondo projetos de lei para “proibir o Apocalipse”. Ou a socialite que vê uma bandeira do Japão e acha que é uma invasão comunista. Tem o deputado que acha que Bertold Brecht é personagem da Escolinha do Professor Raimundo e ainda tem o candidato a presidência que diz que ornitorrinco é da Amazônia…

Bom… Dois juízes sendo homenageados em uma casa de prostituição…

Essa semana a senadora Ana Amélia, do PP do RS, utilizou suas redes sociais e o plenário do Senado Federal pra comentários tão estapafúrdios, xenófobos e racistas que só podia ser piada do Gentili. Reagindo a uma entrevista de outra senadora à TV Al Jazeera, quis vinculá-la ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

Poderia até ser mais um exemplo da estupidez que ronda o discurso conservador, mas não é verossímil que Ana Amélia, uma jornalisa que foi diretora de uma grande rede de televisão, não saiba o que é a Al Jazeera ou que não saiba a diferença entre o Catar e a Síria. Tudo bem que a tal é uma espécie de Barbie Mausoléu, com roupinhas combinando para cada ocasião e posando de garota propaganda do MBL, mas será que ela teria sido vítima de algum tipo de demência?

Lançando mão do expediente mais comum na criação de notícias falsas, a canalha da direita brasileira tentou utilizar de várias mídias simultâneamente para convencer a população de que a senadora Gleisi Hoffmann estava aliciando terroristas islâmicos.

A insanidade começou com vários teóricos da conspiração do MBL afirmando ad nauseam que Gleisi havia violado a Lei de Segurança Nacional. Um tal de Jornalivre tem a pachorra de insinuar que a entrevista seria uma mensagem secreta que ela enviara aos terroristas.

O fake news dos Ken Carson do MBL conseguiu o que queria e aflorou o preconceito xenófobo, arrogante e ignorante dos conservadores. O senador José Medeiros, do Podemos, crendo que “muçulmano”, “árabe” e “terrorista” é tudo a mesma coisa, responsabilizou Gleisi pelos atentados terroristas que, eventualmente, acontecerão no Brasil porque ela foi falar com uma TV do Catar. Ainda acusou a senadora de enviar “um recado subliminar” a radicais e fundamentalistas islãmicos.

Medeiros foi ovacionado pelo MBL.

A tal Ana Amélia veio tentar surfar essa onda, acusando a colega de “convocar o Exército Islâmico pra vir ao Brasil”.

Outro procurando os olofotes foi o Major Olímpio,  que estrapolou a noção do ridículo, deixou o plenário babando de ódio e foi até a Procuradoria Geral da República protocolar um pedido de invesigação de Gleisi.

Tem uma parcela de idiotice aí, claro, mas o que tem mesmo é a falta de caráter de quem inventa notícias falsas pra tentar ganhar no grito.

Vergonhoso.

Anúncios

Um pensamento sobre “O surrealismo canalha da direita brasileira

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.