Como usar este guia

Cada falácia é descrita no seguinte formato:

  • Nome: o nome pelo qual a falácia é geralmente conhecida
  • Definição: a falácia é definida
  • Exemplos: são dados exemplos da falácia
  • Prova: os passos necessários para provar que foi cometida uma falácia

As falácias estão agrupadas em categorias de quatro a seis falácias cada. Este agrupamento é um tanto quanto arbitrário e foi feito apenas por conveniência.

Aprendendo sobre as falácias

A melhor maneira de aprender sobre falácias é simplesmente começar da primeira página e começar a ler. Depois de ler cada página, clique no botão “Continuar”. Além das definições das falácias em si, poderá ler informações aprofundadas, exemplos e discussão das vários falácias.

Depois de sentir que já domina a definição de uma falácia, teste seus conhecimentos, localizando um exemplo e enviando-o para para o sítio de  Stephen Downes. Todas as submissões são revisadas e, se for um bom exemplo, ele será adicionado à lista de exemplos para essa falácia em particular.

Finalmente, participe das discussões. Há uma discussão em inglês no sítio original para cada falácia, bem como áreas mais gerais de discussão (se não gostar da seleção, comece sua própria discussão).

Usando seu conhecimento

No seu dia-a-dia você vai encontrar muitos exemplos de raciocínio falacioso. E é divertido – e às vezes até útil – apontar para um argumento e dizer: “A-há! Esse argumento comete a falácia do falso dilema!”.

Pode ser divertido, mas não é muito útil. Também não é muito iluminado.

Os nomes das falácias são apenas para fins de identificação. Eles não devem ser lançados por todo lado como se fossem “espadas” argumentativas. Não é suficiente afirmar que o adversário tenha cometido tal e tal falácia. E não é muito educado.

Este Guia destina-se a ajudá-lo em seu próprio pensamento, não para ajudá-lo a demolir o argumento de alguém. Quando você está estabelecendo suas próprias idéias e crenças, avalie-os à luz das falácias descritas aqui.

Ao avaliar as ideias e argumentos propostos a você por outros, tenha em mente que você precisa provar que o raciocínio dos outros é falacioso. É por isso que há uma seção de “prova” na descrição de cada falácia. A seção “prova” se destina a dar-lhe um mecanismo para mostrar que o raciocínio é falho. Aplique a metodologia descrita na seção “prova” para o argumento em questão. Construa o seu próprio argumento. Utilize este argumento – e não o nome da falácia – para responder.

Lógica e Verdade

Finalmente – um ponto sobre a lógica e a verdade.

A ideia da lógica é a preservação verdade. O que isso significa é que, se você começar com crenças verdadeiras, seu raciocínio não vai levá-lo a conclusões falsas.

Mas a lógica não gera crenças verdadeiras. Não há nenhuma maneira fácil de fazer isso.

A maioria das pessoas usam a evidência de seus sentidos para gerar crenças verdadeiras. Vêem que as maçãs crescem em árvores, que algumas bananas são o amarelas, e assim por diante.

Para muitas outras verdades, temos de confiar na . Que Deus existe, que o certo é melhor do que errado, que a verdade é uma virtude: são crenças que não podem ser confirmados pelos sentidos e refletem, portanto, uma certa visão do mundo.

Quando se trata de conflitos entre esses preceitos básicos, a lógica falha. Não é possível mostrar que uma visão de mundo está certa e a outra está errada. Se uma pessoa acredita em Deus, por exemplo, é improvável que a lógica mude a mente da pessoa, para quem a crença é, em última análise, baseada na fé.

E lembre-se – a maioria das pessoas têm razões lógicas para não acreditar nas coisas que eles fazem. Eles podem ter opiniões políticas porque seus pais tinham, eles podem ter opiniões no trabalho porque eles têm medo de serem demitidos, eles podem pensar que um filme é bom porque todos os seus amigos o fazem.

Estes também contam como partes da visão de mundo de uma pessoa. Não há nenhuma razão para que você mantenha essas crenças, porque vocês não estão sujeitos aos mesmos fatores não-lógicos. Mas você deve estar ciente de que a razão simples não será suficiente para levá-los a mudar de ideia.

Então, usar a razão com cautela e, se você realmente quer convencer alguém de algo, lembre-se que a compaixão, honestidade e tato são tão importantes quanto a lógica.

Aproveite o Guia.


Próximo »Índice do Guia

Guia de Falácias Lógicas de Stephen Downes

Fonte: Stephen Downes Guide to the Logical Fallacies – Norm Jenson’s Mirror
Tradução, adaptação e notas: Maurício Sauerbronn de Moura

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s