Manifesto Ciência Pela Democracia

Nós pesquisadores, professores, pós-doutorandos, doutores, mestres, estudantes de graduação e pósgraduação e cidadãos não reconhecemos o governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) e repudiamos a decisão autoritária da fusão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) com o Ministério das Comunicações.

Continuar lendo

Pesquisadores criticam ensino ‘decoreba’ de ciências nas escolas do país

Academia brasileira, que completa 100 anos, sugere substituir memorização pelo raciocínio

Renato Grandelle

Poucas coisas apavoram tanto um adolescente quanto assistir ao professor desenhando uma fórmula científica num quadro negro. É um ensino difícil, tedioso e ultrapassado. Essas ideias são de um grupo de trabalho da Academia Brasileira de Ciências (ABC), que, durante as comemorações de seu centenário, revelou ao GLOBO como começou a avaliar maneiras para tornar as aulas mais atrativas, substituindo a memorização pelo raciocínio. A equipe, capitaneada pelo físico Luiz Davidovich, aponta problemas na formação do corpo docente atual e critica a falta de investimentos na educação infantil. Suas propostas para a criação de um novo método de estudos devem ser concluídas no segundo semestre.

Continuar lendo

Qualidade e inclusão na educação: um estudo de caso

Em abril passado, tive a oportunidade, meio que por acidente, de assistir uma palestra muito interessante do professor cubano Guillermo Arias Beatón, que ocorreu na sede da APP – Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná. Guillermo trata da concepção de qualidade na educação cubana e como, para eles, a universalização da educação e a inclusão são sine qua non para que exista qualidade.

Vivemos em um momento em que as grandes empresas educacionais buscam padronizar nacionalmente a educação para poderem vender seus sistemas de ensino. Mais: há uma pressão mundial por padronizar os indicadores de qualidade da educação através de testes também padronizados. É a tal da meritocracia… Beatón nos trás uma visão completamente diferente do que se pode compreender por qualidade.

Continuar lendo

Doutor é quem faz Doutorado

Marco Antônio Ribeiro Tura *

No momento em que nós do Ministério Público da União nos preparamos para atuar contra diversas instituições de ensino superior por conta do número mínimo de mestres e doutores, eis que surge (das cinzas) a velha arenga de que o formado em Direito é Doutor.

A história, que, como boa mentira, muda a todo instante seus elementos, volta à moda. Agora não como resultado de ato de Dona Maria, a Pia, mas como consequência do decreto de D. Pedro I.

Fui advogado durante muitos anos antes de ingressar no Ministério Público. Há quase vinte anos sou Professor de Direito. E desde sempre vejo “docentes” e “profissionais” venderem essa balela para os pobres coitados dos alunos.

Continuar lendo

Palmada: risco de danos é confirmado por cinco décadas de pesquisa

Quanto mais a criança apanha, maior é a probabilidade de desafiar seus pais e experimentar aumento do comportamento anti-social, agressão, problemas de saúde mental e dificuldades cognitivas, de acordo com uma nova meta-análise de 50 anos de pesquisa sobre espancamentos feita por especialistas da Universidade do Texas em Austin e da Universidade de Michigan.

O estudo, publicado na edição deste mês do Journal of Family Psychology, observa cinco décadas de pesquisas envolvendo mais de 160 mil crianças. Os pesquisadores afirmam ser a análise mais completa já feita sobre as consequências da surra e é mais específico sobre os efeitos da palmada sozinha do que os trabalhos anteriores, que incluíam outros tipos de castigo físico em suas análises.

Continuar lendo

A iniciação científica na educação básica


Maria Francilene Câmara Santiago
Ivanaldo Santos
Simone Cabral Marinho dos Santos

Ao tentar elaborar respostas e soluções às dúvidas e problemas que levem a compreensão de si e do mundo, a ciência não se resume ao controle prático do homem sobre a natureza. Fazer do mundo uma provocação é tornar a prática científica inerente ao cotidiano, uma vez que oportuniza a observação, o questionamento e a compreensão da realidade social. E integrá- -la ao cotidiano da escola é, antes de tudo, transformar o conhecimento em algo não reprodutivo, mas criativo, bem como melhorar as condições de permanente aprendizagem, estimulando a aplicação prática de reflexões teóricas por meio de intervenções efetivas na sala de aula. Para tanto, a curiosidade natural e a criatividade do(a) aluno(a) devem ser estimuladas. É importante que este compreenda os fenômenos que ocorrem ao seu redor, possibilitando assim a produção de novos conhecimentos sob condições de permanente aprendizagem.

Continuar lendo

O que acontece quando a educação vira mercadoria

A Anhanguera Educacional tornou-se uma empresa S.A., com ações na bolsa de valores e uma agressiva política de compra de outras instituições. Depois de gastar R$ 800 milhões com a compra de 12 redes de ensino, o grupo tornou-se a maior rede de ensino do país. Só no ABC a Anhanguera já adquiriu a Faenac, em São Caetano, a Anchieta e a Uniban, em São Bernardo, a UniA e a UniABC, em Santo André.

Com a aquisição de tantas faculdades, era de se esperar que houvesse mudanças no quadro de professores, promovendo assim um alinhamento com as diretrizes do grupo. No entanto, o que acabou acontecendo foi muito mais que isso.

Continuar lendo