CienciaPelaDemocracia

Manifesto Ciência Pela Democracia

Nós pesquisadores, professores, pós-doutorandos, doutores, mestres, estudantes de graduação e pósgraduação e cidadãos não reconhecemos o governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) e repudiamos a decisão autoritária da fusão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) com o Ministério das Comunicações.

Continuar lendo

Davidtchen-Simeon

Apelo às organizações sindicais, populares e partidos comprometidos com a democracia e a defesa dos direitos humanos

No sábado, 13 de agosto, às 15h30, no bairro popular de Fort Nacional (Porto-Príncipe), na saída de uma reunião do Movimento de Liberdade, Igualdade dos Haitianos pela Fraternidade (MOLEGHAF), um grupo de homens armados assassinou covardemente Davidtchen Siméon, jovem militante de 23 anos da organização popular progressista MOLEGHAF, muito engajado na luta contra as forças de ocupação da ONU (Minustah), o imperialismo e a opressão dos trabalhadores pelo capital transnacional.

Continuar lendo

Homeopatia

Como a homeopatia faz mal

Stephen Barrett

Os defensores da homeopatia adoram afirmar que os produtos homeopáticos são seguros, suaves e não tem efeitos colaterais. Esta ideia é baseada no fato de que, na maioria dos produtos, o “ingrediente ativo” está tão diluído que não pode causar dano direto. Na verdade, nos produtos homeopáticos preparados adequadamente que são designados 12C (ou 24x) ou mais, nenhuma molécula da substância original estará presente. Infelizmente para os pacientes, a homeopatia pode fazer mal de pelo menos quatro maneiras.

Continuar lendo

rei-nu

O pós-modernismo despido

Richard Dawkins

Suponha que você é um impostor intelectual com nada a dizer, mas com fortes ambições de ter sucesso na vida acadêmica, reunir um círculo de discípulos reverentes e ter estudantes ao redor do mundo ungindo suas páginas com um respeitoso marcador amarelo. Qual tipo de estilo literário você cultivaria? Não um lúcido, claro, já que a clareza poderia expor sua falta de conteúdo. As chances são de você ter algo como isso:

Continuar lendo

Dane-se a ciencia

Os ataques “pós-modernos” à ciência e à realidade

Victor J. Stenger*

Tendências recentes em alguns círculos acadêmicos têm posto em causa noções convencionais de verdade e realidade. A reivindicação feita nesses círculos é que toda declaração, seja na ciência ou na literatura, são simples narrativas – histórias e mitos que não fazem nada mais do que articular os preconceitos culturais do narrador. Nessa visão, uma narrativa é tão boa quanto outra, uma vez que cada uma é expressa na linguagem de sua cultura particular e, portanto, contém todas as suposições sobre a verdade e a realidade incorporadas nessa cultura. Textos não tem significados intrínsecos. Em vez disso, os seus significados são criados pelo leitor. As conclusões que se tiram é que nenhuma narrativa pode ter validade universal e a ciência “ocidental” não é exceção.

Continuar lendo

Homo Naledi

Guerras paleoantropológicas: a descoberta do Homo naledi gerou considerável controvérsia neste campo científico

Nathan Lents*

Notícias da explosiva descoberta do Homo naledi na África do Sul reverberou através do mundo em setembro de 2015. As mídias científica, popular e social  ficaram igualmente alvoroçados com a natureza verdadeiramente deslumbrante da descoberta: milhares de fósseis, mais de uma dúzia de indivíduos, quase um esqueleto inteiro reconstruído. Nunca, nos 150 anos de história da paleoantropologia, tanto tinha sido encontrado de uma vez. De uma só vez, agora há mais fósseis do Homo naledi do que há de mais de metade dos outros hominídeos que viveram e morreram durante os últimos sete milhões de anos. Foi uma descoberta singular.

Continuar lendo

A incerteza na medicina

A incerteza na medicina

Harriet Hall*

Uma das razões que me levaram à medicina foi a ideia ingênua de que médicos sempre sabem o que fazem. Eu estava errada. Marya Zilberberg acertou quando disse que “a única certeza sobre a medicina é a incerteza”. Históricos de pacientes são incertos, exames físicos são incertos, testes são incertos, diagnósticos são incertos, tratamentos são incertos, até a anatomia humana é incerta. Médicos não são cientistas, eles são usuários práticos da ciência que aplicam evidências científicas ao cuidado do paciente. Medicina trata de probabilidades e suposições informadas, não certezas. Sintomas podem significar várias coisas. Eles podem ser um sinal de doenças sérias exigindo tratamento, uma doença que ainda não sabemos identificar e tratar, uma condição benigna que se resolverá sem tratamento, uma hipersensibilização de funções corporais normais, depressão, transtorno de somatização, simulação de doença ou um pedido de ajuda.

Continuar lendo