Relato anedótico versus relato estatístico

Um ótimo texto do Homero Ottoni sobre a diferença entre a experiência pessoal e a experiência científica. Recomendo fortemente.

Homero Ottoni

Relato-AnedóticoUm dos aspectos mais difíceis de ser compreendido pelo homem comum quanto ao rigor exigido pelo método científico e pela ciência para validar um conhecimento, fenômeno ou alegação, é a questão do relato anedótico, pessoal, a experiência pessoal como elemento de convicção e conclusão.

Quando textos são apresentados na Internet para explicar porque a ciência não reconhece uma pseudociência, uma alegação extraordinária ou um tratamento alternativo, dezenas de comentários contrariados são enviados. Uma grande maioria usa casos pessoais como “prova” de que o texto está enganado, que “aquilo” funciona sim, que tem certeza disto, que o autor está “comprado pelas indústrias de medicamentos”, etc.

“Relato anedótico é um relato, evento ou alegação única, singular, pessoal”

Variações são apresentadas, como “é uma questão de livre escolha”, ou – um exemplo tirado da homeopatia – “funcionou até para meu cachorro, como pode não ser real?”

Ver o post original 3.093 mais palavras

Anúncios

Neil deGrasse Tysson fala sobre OVNIs e nossa percepção falha

Neil deGrasse Tysson é astrofísico e propagandeador da ciência. Já publiquei várias coisas dele aqui.

Tysson é convidado frequente em programas de entrevista, não só por ser eloquente e articulado, mas por sua profunda pesquisa acadêmica.

Neste vídeo, Tysson responde a uma pergunta sobre se ele acredita ou não em OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados) e ele faz uma apresentação bem humorada sobre como a verdadeira ciência vê esse tipo de coisa.

Veja também outros vídeos com Neil deGrasse Tysson.

Continuar lendo

Demarcando o que é e o que não é ciência

O seguinte artigo foi publicado pela Revista Filogênese, da Unesp, no volume 3, de 2010. Escrito pelo graduando em Filosofia pela Ufop, Rafael d’Aversa, busca os limites entre a ciência e a pseudociência através da análise de dois filósofos da ciência: Karl PopperRudolf Carnap.

Carnap foi um filósofo alemão. Um dos mais influentes membros do Círculo de Viena e defensor do positivismo lógico (neopositivismo), negava a metafísica (que considerava inútil e sem sentido) e defendia o princípio da verificação.

Popper era um filósofo da ciência nascido na Áustria e naturalizado britânico. Ele contrapõe o critério da verificação (do positivismo lógico) pelo método da falseabilidade. Apesar de sua crítica ao Círculo de Viena, é comummente descrito como um positivista.

Continuar lendo

Por que é que as testemunhas oculares se enganam?

Scott Fraser é um psicólogo forense, estudioso da da falibilidade da memória humana e defensor de uma visão mais científica das evidências em um julgamento.

Esta é uma palestra de Fraser no TED (Technology, Entertainment, Design) e a publico para iniciar uma discussão sobre a falibilidade da percepção do ser humano e como não podemos confiar em nossos sentidos.

O método científico defende o empirismo, claro, mas compreende suas limitações. É por isso que uma experiência deve sempre ser repetida por outros pesquisadores em ambiente controlado. É por isso também que argumentos do tipo “eu sei porque eu vi” não devem ser levados muito em conta e sempre devem estar acompanhados de eviências físicas.

Pretendo me aprofundar nesse assunto em um futuro próximo.

Assista o vídeo e comente.

Porantim

Continuar lendo