O que é método científico?

Isaac Asimov*

Método científico é, obviamente, o método usado pelos cientistas ao fazerem descobertas científicas. Esta definição, porém, parece não ajudar muito. É possível entrar em maiores detalhes?

Continuar lendo

Cosmos: uma nova odisseia no espaço-tempo

CosmosDurante a década de 1980, o astrofísico Carl Sagan revolucionou a divulgação científica com a série de TV Cosmos: uma viagem pessoal. A série foi um divisor de águas para mim e para grande parte da minha geração, despertando uma curiosidade científica que definiu o que sou hoje.

A série original era escrita pelo próprio Sagan, sua esposa Ann Druyan e Steven Soter e foi vista por 750 milhões de pessoas em 175 países. Ganhou três Prémios Emmy e um Peabody.

Quando Sagan morreu, em 1996, Ann procurou criar uma nova série, seguindo o apelo original de conquistar o maior público possível para conhecer a ciência. Para isso, procurou o “mais popular astrofísico do Universo”, Neil Degrasse Tyson.

Depois de mais de uma década tentando obter dinheiro para produzir a série, Ann, Steven e Neil conseguiram convencer o produtor Seth MacFarlane (criador de Family Guy) a abraçar o projeto, mas só em 2011 ele começou a ser produzido de fato.

Assista o primeiro episódio, Standing Up in the Milky Way, que foi ao ar ontem pela FOX dos EUA e pelo National Geographic Channel. Não esqueça de ligar as legendas.

Continuar lendo

Do Big Bang ao Universo Eterno

A ciência não tem verdades absolutas. Essa é uma máxima muitas vezes esquecida tanto pelos defensores do método científico quanto pelos dogmáticos e religiosos anti-científicos.

A teoria do Big Bang, embora dominante tanto na cosmologia quanto no imaginário popular, não é a única teoria científica para o Universo. Há alguns meses publiquei aqui um texto do físico de plasmas  Eric J. Lerner, autor do livro O Big Bang Nunca Ocorreu. Desta vez publico um trecho do livro Do Big Bang ao Universo Eterno, do físico brasileiro Mário Novello.

Novello é doutor em Física pela Universidade de Genebra, doutor Honoris Causa pela Universidade de Lyon, Professor Emérito do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Foi criador do grupo de Cosmologia e Gravitação no CBPF (1976) e do  Instituto de Cosmologia Relatividade e Astrofísica (2003).

Neste livro, Novello expõe de maneira simples um apanhado de modelos cosmológicos, inclusive do Big Bang, enquanto desenvolve os conceitos da Teoria da Relatividade, de Einstein. O trecho escolhido é o prólogo do livro.

Continuar lendo

Sobre porquê a ciência é a única forma de conhecimento que vale a pena

 

“O maior pecado contra a mente humana é acreditar em coisas sem evidências. A ciência é somente o supra-sumo do bom-senso – isto é, rigidamente precisa em sua observação e inimiga da lógica falaciosa.”
Thomas H. Huxley

Conhecimento CientíficoO pensamento científico é algo relativamente novo na história da humanidade. Suas bases começaram a ser desenhadas na Grécia antiga, quando os pensadores pré-socráticos começaram a substituir a crença nos mitos por explicações céticas para os fenômenos do mundo, mas o método científico só se torna realidade no século XVI.

Antes do surgimento do método científico, o conhecimento acumulado pelo ser humano era altamente empírico ou era simplesmente baseado em dogmas e tradições. A ciência permitiu ao homem produzir o conhecimento de forma mais coletiva e controlada, com menos perda de tempo e mais próximo da realidade.

Apesar de qualquer tipo de conhecimento ser capaz de chegar à verdade, apenas o conhecimento científico é capaz de negar a si próprio, ou seja, de perceber por seus próprios métodos que está errado, que não é a verdade.

O texto a seguir, é parte do livro Fundamentos da Metodologia Científica e identifica os quatro tipos de conhecimento e suas diferenças. Isso permitirá compreender melhor as diferenças entre o conhecimento vulgar, dogmático ou religioso do conhecimento científico.

Continuar lendo

Materialismo, idealismo e dialética: chamando as coisas pelos seus nomes

MaterialismoO senso comum faz uma grande confusão entre os termos materialismo e idealismo. Com influência, provavelmente, da moral religiosa, várias pessoas defendem a ideia de que o materialismo é o enaltecimento dos prazeres mundanos em detrimento de ideais mais “elevados”.

Essa ideia não é nova:

 “O filisteu entende por materialismo glutonaria, bebedeira, cobiça, prazer da carne e vida faustosa, cupidez, avareza, rapacidade, caça ao lucro e intrujice de Bolsa, em suma, todos os vícios sujos de que ele próprio em segredo é escravo; e por idealismo, a crença na virtude, na filantropia universal e, em geral, num ‘mundo melhor’, de que faz alarde diante de outros, mas nos quais ele próprio [só] acredita, no máximo, enquanto cuida de atravessar a ressaca ou a bancarrota que necessariamente se seguem aos seus habituais excessos ‘materialistas’ e [enquanto], além disso, canta a sua cantiga predileta: que é o homem? — meio animal, meio anjo.”
(ENGELS, F. Ludwig Feuerbach e o Fim da Filosofia Clássica Alemã. 1886)

Como demonstra o texto a seguir, essa visão não condiz com a realidade. Ele explica o ponto de vista de um dos principais teóricos do materialismo, o alemão Karl Marx. O materialismo (em especial o materialismo histórico e dialético) é uma concepção filosófica, não um preceito moral. O preceito básico seguido pelo materialismo é a observação da matéria, ou seja, do mundo real, sem o uso de hipóteses mágicas ou fantásticas. Ou seja, o materialismo defende que o mundo deve ser explicado a partir de si mesmo, até porque a matéria é a realidade objetiva e existe independente de nossa percepção ou consciência.

Leia também As teses de Marx sobre a filosofia de Feuerbach.

Continuar lendo

A arte refinada de detectar mentiras

Este é mais um texto clássico de The Demon-Haunted World (O Mundo Assombrado pelos Demônios – A Ciência vista como uma vela no escuro), de Carl Sagan.

Desta vez, Sagan analisa uma série de “dicas” para detectarmos que uma afirmação é uma mentira (ou pelo menos que tem grandes chances disso). Explica rapidamente algumas falácias (grandes indícios da má fé do interlocutor).

É um texto importante para qualquer pessoa que deseje realizar debates com seriedade em busca do conhecimento verdadeiro.

Veja outros textos de Carl Sagan.

Continuar lendo

Laura Snyder: A Sociedade do Café Filosófico

Laura Snyder é historiadora e professora do Departamento de Filosofia da Universidade St. John, em Nova Iorque. O centro da pesquisa de Laura é a história da filosofia da ciência, tendo sido presidente da Sociedade Internacional para a História da Filosofia da Ciência em 2009 e 2010.

Laura é autora dos livros Reforming Philosophy: A Victorian Debate on Science and Society (University of Chicago Press, 2006) e The Philosophical Breakfast Club. Four Remarkable Men (Random House, 2011). Esta palestra no TED é sobre esse último.

No início do século XIX, quatro homens se encontraram para discutir o futuro da ciência. Chamaram esse encontro de “café filosófico”. É dessas quatro personagens e deste encontro que esta palestra trata.

Veja outros vídeos do TED.

Continuar lendo