7° Congresso Internacional da AILP

Paris, 21 a 24 de setembro de 2017

Carta-convite dos porta-vozes da Associação Internacional do Livre Pensamento

Senhoras e senhores,
Queridos amigos, queridos camaradas,

Temos o prazer de informar a você sobre o 7° Congresso da Associação Internacional do Livre Pensamento, que se realizará em Paris de 22 a 24 de setembro de 2017 em locais simbólicos: a Bourse du Travail1, a prefeitura do 10º Distrito de Paris e a Universidade de Paris. Ele será precedido por uma conferência internacional do Instituto para Pesquisa e Estudos do Livre Pensamento (IRELP) e de um ato público na praça Garibaldi.

Formulário de Registro para o Congresso em espanholfrancêsitaliano ou inglês.

Continuar lendo

Anúncios

Apelo pelo respeito à laicidade

Por ocasião do 9 de dezembro de 2016, aniversário da promulgação da lei de 1905 da separação entre Igreja e Estado*

(para assinar, clique aqui)

É pouco dizer que a laicidade vai mal: maltratada, manipulada, vilipendiada, sem ousar se afirmar laica por medo de amálgamas e más interpretações. Princípio de paz, teria se tornado assunto de discórdia. Princípio de unidade para além das diferenças, a ela são atribuídos fins identitários.

Continuar lendo

A Comuna de Paris e a I Internacional

Ao completar 145 anos, registramos aspectos desse importante movimento que guardam atualidade.

Jean-Marc Schiappa *

Durante 71 dias, Paris viveu o primeiro governo operário da história. A insurreição começou em 18 de março de 1871, quando operários e operárias parisienses, esfomeados por meses de cerco prussiano à cidade, confraternizam-se com os soldados enviados para lhes tomar os canhões, que eles tiveram que pagar do próprio bolso, em razão da incúria do governo provisório burguês.

Continuar lendo

Presidente da Federação Nacional do Livre Pensamento da França morre em Paris


Marc Blondel, militante do livre pensamento e sindicalista histórico francês, morre aos 75 anos.

A quantidade de homenagens prestadas a Marc Blondel são um termômetro para a importância deste francês para a história da liberdade em seu país e no mundo, tanto na incansável luta pelos direitos dos trabalhadores como na luta pela liberdade de pensamento.

Blondel era advogado e um reconhecido líder sindical. Foi secretário-geral da CGT-Força Operária de 1989 a 2004, quando foi escolhido como presidente da Federação Nacional do Livre Pensamento (FNLP), sendo fundador da Associação Internacional do Livre Pensamento (IAFT), em 2012.

Em 1995 foi um dos principais líderes da série de greves que mobilizaram os franceses contra o Plano Juppé. Tal plano previa o aumento da contribuição dos trabalhadores para a aposentadoria, além de limitar o gasto com saúde (incluindo licenças, hospitais e medicamentos). Milhares de pessoas foram às ruas em seis grandes manifestações que culminaram em um ato em 12 de dezembro com dois milhões de manifestantes.

Blondel ficou famoso exatamente pela defesa que fez da seguridade social para os trabalhadores franceses durante essas greves, chegando a ser considerado “o melhor político da França”.

Fica registrada a homenagem dos livres pensadores brasileiros a este, que foi e ainda é um exemplo de luta para todos nós.

Veja também:

A Marselhesa anticlerical

Ilustração do livro “La Bible amusante”, de Léo Taxil (1882).

Em 1881, o militante anticlerical Leo Taxil escreveu uma música em defesa da laicidade e da democracia na França. A música usava a melodia de A Marselhesa e, por conta disso, ficou conhecida como A Marselhesa Anticlerical.

Seu objetivo central era propagandear a separação entre a Igreja e o Estado, ou seja, a laicidade.

Taxil na verdade era um dos pseudônimos do jornalista francês Marie Joseph Gabriel Antoine Jogand Pagès, que escreveu vários livros em que criticava o clero, principalmente o católico. Por defender que a moral não era uma verdade absoluta e que a Igreja não poderia ter o monopólio dessa verdade, Taxil foi condenado e seu jornal, “La Marotte”, foi proibido.

Taxil ficou conhecido por enganar a Igreja Católica por anos com uma história de uma tal Diana Vaughan que divulgava que a maçonaria era uma seita satanista. Inventou até um ídolo que seria adorado pela maçonaria: Baphomet. Ele sustentou a fraude de 1885 até 1897, convencendo, inclusive, o papa Leão XIII.

Continuar lendo

A questão da mulher: gênero ou classe?

No ano de 2011, a Comuna de Paris fez 140 anos. Para marcar o aniversário do primeiro governo operário da história, foi realizado o Seminário “Comuna de Paris – 140 Anos”, no dia 27 de maio.

O seminário foi realizado pela Central Única dos Trabalhadores – Paraná (CUT-PR), pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP) e pelo Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região e ocorreu no auditório dos bancários, em Curitiba.

Entre outros debates, os participantes do evento discutiram o papel da mulher no movimento de emancipação dos trabalhadores, tomando como ponto de partida a participação delas na Comuna. O debate foi precedido de uma palestra da socióloga Misa Boito. É esta palestra que publicamos aqui hoje.

Misa é socióloga, dirigente da IV Internacional no Brasil (Corrente O Trabalho) e integra o Diretório Regional do PT-SP.

Continuar lendo

Babeuf e a igualdade entre os homens

Gracchus Babeuf, nascido François Noël Babeuf (1760 – 1797), foi um trabalhador francês que participou da Revolução Francesa e foi assassinado pela sua defesa da igualdade entre os homens.

Em 1789, no início da Revolução Francesa, participa da redação de uma lista de reivindicações do povo, onde defende a igualdade radical entre todos os seres humanos. Adotou o nome Gracchus em homenagem a dois irmãos romanos (Tiberius e Gaius Gracchus) que militaram em defesa da reforma agrária.

Babeuf defendia que não bastava a igualdade de direitos (perante a lei), mas era necessária a igualdade nas condições de vida das pessoas. Para alcançar tal intento, defendia a abolição da propriedade privada.

“Quando o governo viola os direitos do povo, a insurreição é, para o povo e para cada porção do povo, o mais sagrado dos direitos e o mais indispensável dos deveres.”
Gracchus Babeuf

Após a queda de Robespierre e a contrarrevolução do termidor (que retornou a burguesia ao poder na França), Babeuf apoiou a criação de uma organização popular, conhecida como Conjuração dos Iguais. Os Iguais defendiam a igualdade efetiva, real, entre os homens na “comunidade dos bens e dos trabalho”, onde, todos teriam acesso aos bens produzidos por seu trabalho.

A Conjuração dos Iguais é considerada o primeiro partido socialista da história. O texto que apresento hoje é o programa desse partido. É o manifesto em que Os Iguais declaram seus princípios e seus objetivos e é a primeira declaração política de caráter socialista da história.

Continuar lendo