A Comuna de Paris e a I Internacional

Ao completar 145 anos, registramos aspectos desse importante movimento que guardam atualidade.

Jean-Marc Schiappa *

Durante 71 dias, Paris viveu o primeiro governo operário da história. A insurreição começou em 18 de março de 1871, quando operários e operárias parisienses, esfomeados por meses de cerco prussiano à cidade, confraternizam-se com os soldados enviados para lhes tomar os canhões, que eles tiveram que pagar do próprio bolso, em razão da incúria do governo provisório burguês.

Continuar lendo

Aprender a aprender: um slogan para a ignorância

Dermeval Saviani é um dos maiores teóricos da educação no Brasil. Graduado em Filosofia em 1966, é doutor em filosofia da educação e livre-docente em história da educação. Saviani é autor de 15 livros, entre eles Escola e Democracia, Educação – Do Senso Comum a Consciência Filosófica e A Questão Pedagógica na Formação de Professores. Tem dezenas de participações em livros, prefácios e artigos publicados. Já participou de mais de 80 bancas de mestrado e doutorado, tendo tido dezenas de orientandos.

Saviani propõe o que chama de Pedagogia Histórico-Crítica, uma visão pedagógica que parte da dialética, especialmente do materialismo histórico, com influência da psicologia histórico-cultural de Vigotski. Para ele, o processo pedagógico não está desvinculado da prática social, ao contrário, a prática social é início e fim da prática educativa.

Em 2008 Saviani concedeu uma entrevista para Raquel Varela e Sandra Duarte que foi publicada na revista portuguesa Rubra, número 3. Leia a íntegra:


Continuar lendo

Acadêmico da CAPES nega projeto científico por divergências ideológicas.

Constantemente temos alertado para o crescente obscurantismo nas universidades brasileiras e para as constantes tentativas de destruição da universidade pública. Agora é a vez dos projetos de pesquisa sofrerem um absurdo ataque.

Um projeto envolvendo três importantes universidades públicas brasileiras acaba de ser negado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) porque o acadêmico responsável pelo parecer discorda ideologicamente da metodologia proposta. Em outras palavras, o preconceito obscurantista de um indivíduo condenou a busca do conhecimento levada a cabo por 19 professores universitários, 9 doutorandos, 15 mestrandos e 27 graduados da Universidade de Brasília, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte!

A justificativa? Para o consultor da CAPES, a contribuição do método científico materialista histórico-dialético é “duvidosa” (SIC). O tal “acadêmico” nega a contribuição de Florestan Fernandes, Octavio Ianni, Maurício Tragtemberg, Adriano Codato, Marilena Chauí e centenas de outros filósofos, economistas, cientistas políticos, físicos, astrônomos, historiadores, sociólogos, pedagogos, psicólogos e teóricos e acadêmicos de todas as áreas do conhecimento.

Isso é sintomático. As ciências humanas vem perdendo cada vez mais espaço na pesquisa acadêmica. A perspectiva crítica, a compreensão do mundo, a cidadania estão sendo jogadas no lixo em nome de uma pretensa melhoria técnica, ou seja, não interessa mais o porquê fazer, mas apenas o fazer em si. É a construção de uma academia que forme cada vez mais apertadores de parafuso e cada vez menos pensadores.

Com toda a razão, os pesquisadores criaram uma petição pública para denunciar a tentativa de destruição do pensamento crítico levada a cabo por setores governamentais e da comunidade acadêmica.

O Livre Pensamento declara seu total apoio aos pesquisadores. Assine a petição online.

Continuar lendo