Qualidade e inclusão na educação: um estudo de caso

Em abril passado, tive a oportunidade, meio que por acidente, de assistir uma palestra muito interessante do professor cubano Guillermo Arias Beatón, que ocorreu na sede da APP – Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná. Guillermo trata da concepção de qualidade na educação cubana e como, para eles, a universalização da educação e a inclusão são sine qua non para que exista qualidade.

Vivemos em um momento em que as grandes empresas educacionais buscam padronizar nacionalmente a educação para poderem vender seus sistemas de ensino. Mais: há uma pressão mundial por padronizar os indicadores de qualidade da educação através de testes também padronizados. É a tal da meritocracia… Beatón nos trás uma visão completamente diferente do que se pode compreender por qualidade.

Continuar lendo

Anúncios

O cérebro crente: porque a ciência é o único caminho para fora do realismo dependente da crença

Michael Shermer *

O presidente Barack Obama nasceu no Havaí? Eu achei a questão tão absurda, sem mencionar a possibilidade de racismo em sua motivação, que quando eu foi confrontado com “birthers”1 que acreditam em outra coisa, eu achei difícil até mesmo me concentrar em seus argumentos sobre a diferença entre uma certidão de nascimento e um certificado de nascido vivo. A razão é porque uma vez que eu formei uma opinião sobre o assunto, tornou-se uma crença, sujeita a uma série de vieses cognitivos para garantir a sua verosimilhança. Eu fiquei irracional? Possivelmente. De fato, é assim que a maioria dos sistema de crença funcionam para a maioria de nós na maioria do tempo.

Continuar lendo

Palmada: risco de danos é confirmado por cinco décadas de pesquisa

Quanto mais a criança apanha, maior é a probabilidade de desafiar seus pais e experimentar aumento do comportamento anti-social, agressão, problemas de saúde mental e dificuldades cognitivas, de acordo com uma nova meta-análise de 50 anos de pesquisa sobre espancamentos feita por especialistas da Universidade do Texas em Austin e da Universidade de Michigan.

O estudo, publicado na edição deste mês do Journal of Family Psychology, observa cinco décadas de pesquisas envolvendo mais de 160 mil crianças. Os pesquisadores afirmam ser a análise mais completa já feita sobre as consequências da surra e é mais específico sobre os efeitos da palmada sozinha do que os trabalhos anteriores, que incluíam outros tipos de castigo físico em suas análises.

Continuar lendo

A moral é natural dos animais, não tem nada a ver com religião

É muito comum, ao discutir a moral, escutar o argumento de que toda moral provém da religião, que ateus não tem moral, que o senso moral provém do medo de não viver para sempre no paraíso cristão.

Ora, se a moral é unicamente religiosa, então só poderia existir nas sociedades humanas, certo?

O biólogo alemão Frans de Waal discorda de tal noção. No vídeo a seguir, cita várias pesquisas que estabelecem que várias sociedades de mamíferos são capazes de regras morais, de ética, compaixão, senso de justiça e empatia.

Continuar lendo

Skinner e a inutilidade da punição

“Uma pessoa que foi punida
não fica menos inclinada
a se comportar de
uma determinada maneira.
Na melhor das hipóteses,
ela aprende como
evitar a punição”

B. F. Skinner

Skinner, B. F. (1971). Beyond freedom and dignity. Indianapolis: Hackett Publishing.
Tradução: Maurício Sauerbronn de Moura

Entre os limites da educação e violência

Luciano Valente

Educar crianças para que elas compreendam e obedeçam às regras da convivência é um desafio enfrentado por pais, escola e sociedade em geral. A tríade punição-premiação-educação está na raiz da aprendizagem social e sua discussão é considerada sempre pertinente. Para pesquisadores, as mudanças na família e na sociedade contemporâneas ainda não resultaram em uma configuração das relações entre educar e punir. A questão dos limites volta-se para os próprios pais e escola: a educação deve privilegiar o diálogo com crianças e adolescentes aos invés de punições, especialmente as corporais.

Continuar lendo

Sam Harris: A ciência pode responder questões morais.

Sam Harris é um neurocientista estadunidense. Escritor de vários livros, é profundo crítico do dogmatismo, inclusive do dogmatismo religioso.

Harris defende que é necessário questionar livremente os dogmas e que o tabu de que “religião não se discute” é um entrave à evolução humana e à justiça social.

Neste vídeo, Harris demonstra que a suposta ligação entre religiosidade e moral é um mito e que não está baseado em nenhuma evidência. Demonstra também que a utilização da razão, da ciência, do materialismo, é muito mais útil para definir valores morais do que qualquer sistema de crenças, dogmas ou fé.

Veja outros vídeos do TED.

Continuar lendo