Portugal: 40 anos de liberdade

Hoje, 25 de abril, é feriado nacional em Portugal. É o Dia da Liberdade. Neste dia se comemora o movimento social que derrubou a ditadura fascista portuguesa do Estado Novo que durou mais de quatro décadas e mergulhou o país em 13 anos de guerras nas colônias.

A unidade dos trabalhadores portugueses, seus estudantes e seus soldados foi tão grande que a revolução portuguesa terminou com poucos tiros disparados e apenas 4 civis mortos pela polícia política.

Para simbolizar essa unidade, os civis distribuíram cravos vermelhos aos militares, que os colocaram nas pontas das armas. Por isso, a revolução portuguesa ficou conhecida como Revolução dos Cravos.

A revolução culminou com a construção e a entrada em vigor da nova Constituição, em 25 de abril de 1976.

Várias músicas fizeram parte da revolução ou foram ligadas a ela como homenagem. Uma dessas músicas tornou-se símbolo desse movimento, Grândola Vila Morena, de Zeca Afonso. Ela foi escolhida para ser a segunda senha para o arranque das tropas (a primeira foi E depois do adeus, cantada por Paulo de Carvalho).

Aos 20 minutos da madrugada de 25 de abril de 74, Grândola, Vila Morena foi tocada no programa Limite, na Rádio Renascença e iniciou as operações simultâneas em todo o país das tropas organizadas pelo MFA. Apesar de os militares pedirem para que os civis não saíssem às ruas, já na madrugada as ruas de Lisboa foram tomadas pelo povo, que confraternizou com as tropas, distribuindo cravos. O mesmo ocorreu por todo o país.

Várias regravações da música foram feitas posteriormente, como por Amália Rodrigues, Nara Leão e até pela banda punk paulistana 365.

Assim, quero oferecer essa linda música como homenagem a este dia tão importante para a história dos países lusófonos.

Grândola, Vila Morena

Zeca Afonso

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade

Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade

Anúncios

Um pensamento sobre “Portugal: 40 anos de liberdade

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s