Um poema em defesa da razão, contra o hype “alternativo”

Quem nunca se pegou tentando argumentar a sério com alguém que acaba por defender fadas, duendes, energia da alma, anjos, teorias da conspiração e todo esse obscurantismo hype da “Nova Era”?

Com a desculpa de combater o mainstream religioso, eles defendem qualquer tipo de dogma alienante, desde que tenha um rótulo de “alternativo”. Evidências são meros detalhes. O mundo real é considerado um “limitante”. A ciência é tida como um ser pensante, uma entidade mágica que se vendeu às conspirações.

Empostação de mãos, “alinhamento” da alma e a posição dos astros são tidos como os mais poderosos remédios.

Efeitos maléficos hediondos são atribuídos às vacinas e a qualquer avanço científico.

Tim Minchin – ator, humorista e músico australiano – nos apresenta seu poema beat (grupo de artistas dos EUA nos anos 50 que deu origem ao beatnik e ao hippie), sobre uma dessas conversas. Um bem humorado filme de animação lançado em 2011.

Não há diferença entre impedir uma criança de receber uma transfusão de sangue ou tentar curá-la a partir do alinhamento do seu Qi (“energia da vida”). Ambas se baseiam em dogmas e tem por objetivo prejudicar e colocar em risco a vida de uma criança.

É claro que não há nada de alternativo nessas coisas. É mainstream, é hype, é moda, é indústria, dá lucro (e tem como objetivo o lucro). Só tem uma roupagem diferente.

Todo dogmatismo, seja pseudocientífico ou religioso, que nega a realidade é nocivo à toda a espécie humana. É disso que se trata.



Storm (tempestade)

Inner North London, top floor flat
All white walls, white carpet, white cat,
Rice Paper partitions
Modern art and ambition
The host’s a physician,
Lovely bloke, has his own practice
His girlfriend’s an actress
An old mate from home
And they’re always great fun.
So to dinner we’ve come.

The 5th guest is an unknown,
The hosts have just thrown
Us together for a favour
because this girl’s just arrived from Australia
And has moved to North London
And she’s the sister of someone
Or has some connection.

As we make introductions
I’m struck by her beauty
She’s irrefutably fair
With dark eyes and dark hair
But as she sits
I admit I’m a little bit wary
because I notice the tip of the wing of a fairy
Tattooed on that popular area
Just above the derrière
And when she says “I’m Sagittarien”
I confess a pigeonhole starts to form
And is immediately filled with pigeon
When she says her name is Storm.

Chatter is initially bright and light hearted
But it’s not long before Storm gets started:
“You can’t know anything,
Knowledge is merely opinion”
She opines, over her Cabernet Sauvignon
Vis a vis
Some unhippily
Empirical comment by me

“Not a good start” I think
We’re only on pre-dinner drinks
And across the room, my wife
Widens her eyes
Silently begs me, Be Nice
A matrimonial warning
Not worth ignoring
So I resist the urge to ask Storm
Whether knowledge is so loose-weave
Of a morning
When deciding whether to leave
Her apartment by the front door
Or a window on the second floor.

The food is delicious and Storm,
Whilst avoiding all meat
Happily sits and eats
While the good doctor, slightly pissedly
Holds court on some anachronistic aspect of medical history
When Storm suddenly she insists
“But the human body is a mystery!
Science just falls in a hole
When it tries to explain the the nature of the soul.”

My hostess throws me a glance
She, like my wife, knows there’s a chance
That I’ll be off on one of my rants
But my lips are sealed.
I just want to enjoy my meal
And although Storm is starting to get my goat
I have no intention of rocking the boat,
Although it’s becoming a bit of a wrestle
Because – like her meteorological namesake –
Storm has no such concerns for
our vessel:

“Pharmaceutical companies are the enemy
They promote drug dependency
At the cost of the natural remedies
That are all our bodies need
They are immoral and driven by greed.
Why take drugs
When herbs can solve it?
Why use chemicals
When homeopathic solvents
Can resolve it?
It’s time we all return-to-live
With natural medical alternatives.”

And try as hard as I like,
A small crack appears
In my diplomacy-dike.
“By definition”, I begin
“Alternative Medicine”, I continue
“Has either not been proved to work,
Or been proved not to work.
You know what they call “alternative medicine”
That’s been proved to work?
Medicine.”

“So you don’t believe
In ANY Natural remedies?”

“On the contrary actually:
Before we came to tea,
I took a natural remedy
Derived from the bark of a willow tree
A painkiller that’s virtually
side-effect free
It’s got a weird name,
Darling, what was it again?
Masprin?
Basprin?
Asprin!
Which I paid about a buck for
Down at my local drugstore.

The debate briefly abates
As our hosts collects plates
but as they return with desserts
Storm pertly asserts,

“Shakespeare said it first:
There are more things in heaven and earth
Than exist in your philosophy…
Science is just how we’re trained
to look at reality,
It can’t explain love or spirituality.
How does science explain psychics?
Auras; the afterlife; the power of prayer?”

I’m becoming aware
That I’m staring,
I’m like a rabbit suddenly trapped
In the blinding headlights of vacuous crap.
Maybe it’s the Hamlet she just misquothed
Or the eighth glass of wine I just quaffed
But my diplomacy dike groans
And the arsehole held back by its stones
Can be held back no more:

“Look , Storm, I don’t mean to bore you
But there’s no such thing as an aura!
Reading Auras is like reading minds
Or star-signs or tea-leaves or meridian lines
These people aren’t plying a skill,
They are either lying or mentally ill.
Same goes for those who claim to hear
God’s demands
And Spiritual healers who think they
have magic hands.

By the way,
Why is it OK
For people to pretend they can talk to the dead?
Is it not totally fucked in the head
Lying to some crying woman
whose child has died
And telling her you’re in touch with the other side?
That’s just fundamentally sick
Do we need to clarify that there’s no such
thing as a psychic?

What, are we fucking 2?
Do we actually think that
Horton Heard a Who?
Do we still think that Santa
brings us gifts?
That Michael Jackson hasn’t had facelifts?
Are we still so stunned
by circus tricks
That we think that the dead would
Wanna talk to pricks
Like John Edwards?

Storm to her credit despite my derision
Keeps firing off clichés
with startling precision
Like a sniper using bollocks
for ammunition

“You’re so sure of your position
But you’re just closed-minded
I think you’ll find
Your faith in Science and Tests
Is just as blind
As the faith of any fundamentalist”

“Hm that’s a good point,
let me think for a bit
Oh wait, my mistake,
it’s absolute bullshit.
Science adjusts it’s beliefs
based on what’s observed
Faith is the denial of observation
so that Belief can be preserved.
If you show me
That, say, homeopathy works,
Then I will change my mind
I’ll spin on a fucking dime
I’ll be embarrassed as hell,
But I will run through the streets yelling
It’s a miracle! Take physics and bin it!
Water has memory!
And while it’s memory of a
long lost drop of onion juice is Infinite
It somehow forgets
all the poo it’s had in it!

You show me that it works and how it works
And when I’ve recovered from the shock
I will take a compass and carve
Fancy That on the side of my cock.”

Everyones just staring at me now,
But I’m pretty pissed and I’ve dug this far down,
So I figure, in for penny, in for a pound:

“Life is full of mystery, yeah
But there are answers out there
And they won’t be found
By people sitting around
Looking serious
And saying isn’t life mysterious?
Let’s sit here and hope
Let’s call up the fucking Pope
Let’s go watch Oprah
Interview Deepak Chopra

If you’re going to watch tele,
you should watch Scooby Doo.
That show was so cool
because every time there’s a church with a ghoul
Or a ghost in a school
They looked beneath the mask and what was inside?
The fucking janitor or the dude who runs the waterslide.
Throughout history
Every mystery
Ever solved has turned out to be
Not Magic.

Does the idea that there might be truth
Frighten you?
Does the idea that one afternoon
On Wiki-fucking-pedia might enlighten you
Frighten you?
Does the notion that there may not be a supernatural
So blow your hippy noodle
That you would rather just stand in the fog
Of your inability to Google?

Isn’t this enough?

Just this world?

Just this beautiful, complex
Wonderfully unfathomable, NATURAL world?
How does it so fail to hold our attention
That we have to diminish it with the invention
Of cheap, man-made Myths and Monsters?
If you’re so into Shakespeare
Lend me your ear:
“To gild refined gold, to paint the lily,
To throw perfume on the violet… is just fucking silly”
Or something like that.
Or what about Satchmo?!
I see trees of Green,
Red roses too,
And fine, if you wish to
Glorify Krishna and Vishnu
In a post-colonial, condescending
Bottled-up and labeled kind of way
Then whatever, that’s ok.
But here’s what gives me a hard-on:
I am a tiny, insignificant, ignorant lump of carbon.
I have one life, and it is short
And unimportant…
But thanks to recent scientific advances
I get to live twice as long
As my great great great great uncleses and auntses.
Twice as long to live this life of mine
Twice as long to love this wife of mine
Twice as many years of friends and wine
Of sharing curries and getting shitty
With good-looking hippies
With fairies on their spines
And butterflies on their titties.

And if perchance I have offended
Think but this and all is mended:
We’d as well be 10 minutes back in time,
For all the chance you’ll change your mind.

No norte de Londres, apartamento de cobertura
Todas as paredes brancas, carpete branco, gato branco,
Divisórias de papel de arroz
Arte moderna e ambição
O anfitrião é um médico,
Cara encantador, tem seu próprio consultório
Sua namorada é atriz
Uma velha amiga de casa
E eles são sempre muito divertidos.
Então, para o jantar, nós viemos.

A quinta convidada é uma desconhecida
Os anfitriões apenas jogaram-nos
juntos como um favor
porque a garota acabou de chegar da Austrália
E se mudou para o norte de Londres
E ela é irmã de alguém
Ou tem alguma conexão

Enquanto fazíamos as apresentações
Fui golpeado por sua beleza
Ela é irrefutavelmente bela
Com olhos escuros e cabelo escuro
Mas quando ela sentou
Eu admito que fiquei um pouquinho cauteloso
porque eu percebi a ponta da asa de uma fada
Tatuada naquela área popular
Logo acima do traseiro
E quando ele disse “eu sou sagitariana”
Eu confesso um preconceito começando a se formar
E ser imediatamente confirmado
Quando ela diz que seu nome é Storm

O papo começou inteligente e leve
Mas não demorou para que Storm começasse:
“Você não pode saber nada,
Conhecimento é apenas opinião”
Ela opinou, através do seu Cabernet Sauvignon
Ignorando
Algum “nada hippie”
Comentário empírico feito por mim

“Não é um bom começo”, eu pensei
Nós ainda estamos nos aperitivos
E no outro lado da sala, minha esposa
Arregala seus olhos
Silenciosamente me implora, Seja Legal
Uma advertência matrimonial
Que não vale a pena ignorar
Então eu resisto ao impulso de perguntar a Storm
Se o conhecimento é tão vago
Em uma manhã
Pode escolher se sai
Do seu apartamento pela porta da frente
Ou pela janela do segundo andar.

A comida é deliciosa e Storm,
Evitando toda carne
Felizmente senta e come
Enquanto o bom doutor, um pouco alterado
Defende algum aspecto anacrônico da
história médica
Quando Storm de repente insiste
“Mas o corpo humano é um mistério!
A ciência cai em um buraco
Quando tenta explicar a natureza da alma”.

Minha anfitriã me lança um olhar
Ela, como minha esposa, sabe que é a chance
De eu começar um dos meus discursos
Mas meus lábios estão selados.
E só quero aproveitar a comida
E embora Storm esteja começando a me irritar
Eu não tenho nenhuma intenção de balançar o barco,
Embora esteja começando a ficar difícil
Porque – como seu homônimo meteorológico –
Storm não tem nenhuma preocupação com
nossa embarcação:

“Empresas farmacêuticas são o inimigo
Eles promovem a dependência de drogas
Às cusatas dos remédios naturais
Que são tudo o que nosso corpo precisa
Elas são imorais e dirigidas pela ganância.
Por que tomar drogas
Se ervas podem solucionar?
Por que usar química
Quando soluções homeopáticas
Podem resolver?
É tempo de todos nós voltarmos a viver
Com alternativas médicas naturais”.

E tentando tão forte quanto podia
Uma pequena rachadura apareceu
No meu dique diplomático.
“Por definição”, comecei
“Remédios alternativos”, continuei
“Ainda não tiveram sua eficácia comprovada
Ou foi provado que não funcionam.
Você sabe como chama um “remédio alternativo”
Quando ela prova sua eficácia?
Remédio”.

“Então você não acredita
Em NENHUM remédio natural?”

“Ao contrário, na realidade:
Andes de vir para o chá,
Eu tomei um remédio natural
Derivado da casca da árvore de um salgueiro
Um analgésico que virtualmente
não tem efeitos colaterais
Que tem um nome esquisito
Querida, qual era mesmo?
Maspirina?
Baspirina?
Aspirina!
Que eu paguei cerca de uma libra
Ali na farmácia do meu bairro.

O debate diminuiu brevemente
Enquanto nossos anfitriões tiravam os pratos
mas quando eles voltaram com a sobremesa
Storm afirma atrevidamente,

“Shakespeare disse isso:
Há mais coisas entre o céu e a Terra
Do qeu existe na sua filosofia…
Ciência é apenas a forma como fomos treinados
para olhar a realidade,
Ela não pode explicar o amor e a espiritualidade.
Como a ciência explica os médiuns?
Auras, a vida após a morte, o poder da oração?”

Eu começo a tomar consciência
Que estou pasmo
Estou como um coelho preso em uma armadilha
Nos faróis ofuscantes de porcarias estúpidas.
Talvez tenha sido o Hamlet que ela citou errado
Ou o oitavo copo de vinho que eu esvaziei
Mas meu dique de diplomacia geme
E o idiota mantido preso por suas pedras
Não pode mais ser contido:

“Olha, Storm, eu não quero entediar você
Mas não existem coisas como aura!
Ler auras é como ler mentes
Ou sinais das estrelas ou folhas de chá ou meridianos
Essas pessoas não estão exercendo uma habilidade,
Elas ou estão mentido ou são doentes mentais.
O mesmo vale para aqueles que afirmam escutar
órdens de Deus
E os curandeiros espirituais que pensam que
tem mãos mágicas.

A propósito,
Por que está tudo bem
Pessoas que fingem falar com os mortos?
Não é uma cabeça totalmente fodida
Mentir para alguma mulher que chora
por seu filho morto
E dizer a ela que está em contato com o outro lado?
Isso é totalmente doentio
Nós precisamos deixar claro que não existem
coisas como videntes?

Porra, nós temos dois anos de idade?
Nós realmente acreditamos em
Horton e o Mundo dos Quem?
Nós ainda pensamos que o Papai Noel
nos traz presentes?
Que o Michael Jackson não tem plásticas na cara?
Nós ainda estamos tão aturdidos
por truques circenses
Que nós pensamos que os mortos podem
Querer falar com idiotas
Como John Edwards?

Storm, para seu crédito e apesar do meu escárnio
Continua atirando clichês
com uma precisão surpreendente
Como um franco atirador usando besteira
como munição

“Você está tão certo de sua posição
Mas você só tem a cabeça fechada
Eu acho que você descobrirá
Que sua fé na ciência e nos testes
É apenas como cegueira
Como a fé de qualquer fundamentalista”

“Hmm, aí está um bom ponto,
deixe-me pensar por um momento
Oh, espere, erro meu.
Isso é uma bobagem absoluta!
A ciência ajusta suas crenças
baseando-se no que foi observado
Fé é a negação da observação
para que a crença seja preservada.
Se você me mostrar
Que, por exemplo, a homeopatia funciona,
Então eu mudarei minha forma de pensar
Eu vou girar em cima de um centavo,
Eu vou ficar envergonhado como o inferno,
Mas vou correr pelas ruas gritando
É um milagre! Pegue a Física e jogue fora!
Água tem memória!
E, embora seja a memória de uma gota de suco
de cebola perdida há muito tempo, é infinita
De alguma forma, esquecemos de
todo o cocô que já esteve ali!

Você me mostra que isso funciona e como funciona
E quando eu estiver recuperado do choque
Eu vou pegar um compasso e esculpir
“Quem Diria?” na lateral do meu pau”.

Todos estão pasmados comigo agora,
Mas eu estou muito puto e como fui muito longe,
Eu penso que, fodido por um, fodido por mil.

“A vida é cheia de mistérios, sim
Mas há respostas lá fora
E elas não serão encontradas
Por pessoas sentadas por aí
Parecendo sérias
E dizendo “a vida não é misteriosa?
Vamos sentar aqui e esperar
Vamos ligar para a porra do Papa
Vamos assistir a Oprah
Entrevistar Deepak Chopra”

Se você for assistir TV,
precisa prestar atenção no Scooby Doo
Esse programa é tão legal
porque toda hora tem uma igreja com uma assombração
Ou um fantasma em uma escola
Eles olham por baixo da máscara e o que tem dentro?
A porra do zelador ou o cara do tobogã
Ao longo da história
Todo mistério resolvido acabou por
Não ser mágica

A ideia de que pode haver realidade
Assusta você?
A ideia de que em uma tarde
A porra da Wikipédia possa esclarecer você
Assusta você?
A noção de que talvez não existe algo sobrenatural
Pira sua cabeça hippie
Que você prefere se manter na neblina
Da sua incapacidade de usar o Google?

Isso não é o suficiente?

Apenas este Mundo?

Apenas este lindo, complexo
Maravilhosamente insondável, Mundo NATURAL?
Como isso falha tanto em prender nossa atenção
Que temos que diminuí-lo com a invenção
De reles mitos e monstros feitos pelo homem?
Se você gosta tanto de Shakespeare
Empreste-me seu ouvido:
“Dourar ouro refinado, pintar o lírio,
lançar perfume na violeta, é uma puta estupidez.”
Ou alguma coisa assim.
Ou que tal Satchmo?!
Eu vejo árvores de verde,
Rosas vermelhas também,
E tudo bem se você quiser
Glorificar Krishna e Vishnu
De uma pós-colonial, condescendente
Engarrafada e etiquetada maneira
Então tanto faz, tudo bem
Mas é isso que me deixa com tesão:
Eu sou um minúsculo, insignificante, ignorante pedaço de carbono.
Eu tenho uma vida e ela é curta
E sem importância…
Mas graças aos avanços científicos recentes
Eu vou viver duas vezes mais tempo
Que meus tios e tias-tataravós
O dobro do tempo para viver esta minha vida
O dobro do tempo para amar esta minha esposa
Duas vezes mais anos de amigos e vinho
De dividir o caril e falar recebendo merda
De hippies bonitas
Com fadas na coluna
E borboletas nos seios.

E se talvez eu tenho ofendido
Pense, mas nisso, e tudo será corrigido:
Nós estaríamos bem há 10 minutos,
Com toda a chance de você mudar de ideia.

Legendas: Versão Brasileira
Tradução do poema: Maurício Sauerbronn de Moura
Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s