O neonazismo judeu (sim, isso existe!)

A crescente onda de violência de grupos racistas judeus dentro e fora de Israel tem trazido à luz um pouco do submundo dessas organizações. A coisa veio à tona em 2014, quando um protesto contra a guerra em Tel Aviv foi atacado violentamente por um grande número de jovens. Dentre os atacantes, alguns jovens que ostentavam camisetas com símbolos neonazistas. Um deles ostentava o logotipo “Good night left side”, um símbolo utilizado por neonazis europeus, substituindo a cruz solar (símbolo nazista) pela estrela de Davi (símbolo judeu).

As imagens levaram o CEO do Instituto de Prevenção do Ódio Online (uma ONG dedicada a combater o anti-semitismo), Andre Oboler, a investigar o caso. Oboler descobriu que grupos de judeus de Israel, EUA e Austrália (especialmente os ligados ao sionismo) tem estreitas relações através da Internet com grupos neonazistas europeus. O que os une: o ódio e a violência contra os muçulmanos.

No fim de  2014, o YNetNews Magazine investigou um grupo ultranacionalista, o Lehava. Um de seus repórteres se infiltrou no grupo por dois meses e meio e presenciou várias “patrulhas” armadas em busca de casais “mistos” com o objetivo de não permitir, pela intimidação ou pela violência, que não judeus tenham qualquer relação com judeus, especialmente as mulheres.

O Lehava (LeMeniat Hitbolelut B’eretz HaKodesh – Prevenção de Assimilação na Terra Santa) são um grupo racista de ultra-direita que afirma lutar contra a “assimilação” dos judeus pelos gentios (não-judeus). Fazem parte do movimento Kahanista e, como tal, defendem a segregação dos gentios em Israel e costumam organizar ataques a árabes e cristãos pelas ruas de Tel Aviv e outras cidades de Israel.

Os Kahanistas são os seguidores das ideias de Meir Kahane, um político e rabino ortodoxo propagador do racismo e defensor da expulsão ou aniquilação dos árabes de toda a Palestina.

Nos EUA, Kahane criou a JDL (Jewish Defense League – Liga de defesa judaica) e o Kach, em Israel, mas seus seguidores criaram várias outras organizações, como o Otzma Yehudit, o Kahane Chai, o Terror Against Terror e o próprio Lehava.

Todas essas organizações foram condenadas ou estão sendo acusadas de incitação à violência, racismo e até terrorismo. Militantes do Lehava, por exemplo, incendiaram uma escola em Jerusalém;

A JDL é um caso à parte. Considerada uma organização terrorista pelo FBI desde 1985, foi considerada a segunda organização terrorista mais ativa nos EUA. Tem inúmeras ações dentro e fora do país. Já tentaram explodir uma bomba em Culver City, Califórnia, já agrediram jornalistas franceses, assassinaram  Alex Odeh (diretor regional do Comitê Anti-Discriminação Árabe-Americano) com uma carta-bomba, mesmo método usado por eles para assassinar Patricia Wilkerson, da ProWest. A JDL também está envolvida com extorsão e com lavagem de dinheiro.

Mas será possível um nazismo judeu?

À primeira vista, o termo neonazismo associado ao ao judaísmo parecem uma contradição absurda. Pra entender isso, é preciso resgatar um pouco a origem e o que representou o nazismo na História.

O Nazismo foi a expressão alemã do fascismo. Apesar de sua maior expressão na Itália, o fascismo teve expressão em vários países, como o Salazarismo e o Integralismo Lusitano em Portugal, o Franquismo e a Falange Tradicionalista na Espanha, o Integralismo no Brasil, as Falanges Libanesas e um monte de outras organizações com nomes parecidos com “falanges”, “camisas” (camisas-pardas, camisas-negras, camisas-cáqui, camisas-verdes, camisas-cinzentas, camisas-azuis e por aí vai).

Todas essas organizações tinham características comuns:

  • Culto ao tradicionalismo, expresso tanto na retórica quanto na simbologia, com a escolha de ícones ancestrais, sejam romanos, celtas, gregos ou do oriente médio. Os nazistas usavam a Cruz Celta, a Suástica (Mesopotâmia) e a águia (Roma). Os fascistas italianos usavam o Fascio Romano. Todos usavam a Saudação Romana (esticar o braço com a palma para baixo ou para frente), só pra lembrar alguns exemplos;
  • Militarização, principalmente dos jovens, tanto na utilização de uniformes militares quanto na formação de milícias que eram usados para ataques violentos a qualquer um que discorde deles;
  • Ódio às minorias, sejam raciais, religiosas, sexuais ou qualquer outra desculpa pra odiar;
  • Anti-comunismo, estendendo-se ao combate violento a qualquer vertente socialista, desde os anarquistas até os comunistas, incluindo social-democratas;
  • Proibição da auto-organização dos trabalhadores, fechando sindicatos livres e criando sindicatos vinculados ao Estado. Fechando os partidos operários. Perseguindo ou cooptando todas as lideranças dos trabalhadores;
  • Conciliação de classes, com adesão predominante da classe média;
  • Moralismo, impondo uma ética idealizada, cultuando a disciplina, a subordinação ao líder, a aceitação e outros valores religiosos;
  • Ultranacionalismo, a partir de conceitos de Nação e Pátria idealizados e, geralmente, falsos. Xenofobia.

No fascismo alemão, o nazismo, o ódio não era apenas aos judeus, mas também aos homossexuais, negros, ciganos, eslavos, árabes, pacifistas, comunistas, doentes mentais, deficiente físicos e até minorias religiosas, como testemunhas de Jeová.

Com o fim da segunda guerra, o termo “neonazismo” passou a designar grupos ou gangues inspiradas nos valores do fascismo. Assim, temos grandes e genéricos movimentos neonazis (como Stormfront e White Power), partidos (como o NPD – Partido Nacional-Democrático da Alemanha, o Partido-Nacional Bolchevique, o Aurora Dourada da Grécia, o Partido Nacional Britânico, o Partido Nazista Americano e bizarro Partido Verde Nazista Liberal, dos EUA) e grupos nacionais (como a Ku Klux Klan, Phineas Priesthood, The Heritage Front e vários outros.

O Brasil não escapa da lista: Carecas do ABC, Carecas do Subúrbio, Carecas do Brasil, White Power, Partido Nacionalista Revolucionário Brasileiro (PNRB), Ação Integralista Brasileira, Frente Integralista Brasileira, Soberanos da Revolução e outros grupelhos. Recentemente o PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro) participou da organização do Congresso de Fundação da Frente Nacionalista, mais uma tentativa de unificar os neonazistas.

O que diferencia os grupos é o foco do seu ódio (alguns são os negros, alguns são os judeus, alguns são qualquer um que não seja cristão e por aí vai), mas as características citadas continuam presentes.

Bom, nesse contexto, fica claro que o Lehava e os kahanistas (JDL, TNT e afins) são, de fato, organizações que se encaixam no neonazismo. A diferença é ao invés de o Povo Escolhido ser o “ariano”, é o judeu. O ódio e a violência permanecem.

2 pensamentos sobre “O neonazismo judeu (sim, isso existe!)

    • Uma busca no Google com “camisas cáqui alemanha” retorna ZERO resultados relevantes em português, em inglês e em alemão. Pesquisa com “cequistas” e “cequismo” restorna ZERO resultados relevantes tanto em português quanto em inglês.

      Tem razão, eu estou mostrando só um lado: o lado do mundo real.

      Esquizofrenia tem cura. Procure um médico.

      Curtir

Deixe uma resposta para nisof Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.