Estudando a ciência da ciência

* Jane C. Hu

Em teoria, o método científico funciona assim: pesquisadores formulam uma questão, constroem hipóteses, coletam dados, avaliam seus resultados e – ta da! – o mundo ganha conhecimentos científicos valiosos. Na prática, é claro, isso nem sempre funciona desse jeito e alguns cientistas estão trazendo isso pra si e indo além de suas áreas de pesquisa principais para estudar onde o sistema pode estar errando.

Ferric Fang, um professor do laboratório de medicina e microbiologia da Universidade de Washington, em Seattle, adicionou retratações e má conduta científica à agenda de sua pesquisa por conta de sua experiência como editor chefe do periódico Infection and Immunity. Em 2010, 3 anos depois de assumir as rédeas, o periódico retratou cinco artigos do pesquisador Naoki Mori depois de terem encontrados imagens maipuladas de vários tipos de proteína e géis de DNA. No processo, Fang disse que “tornou-se evidente para mim que o sistema atual não estava realmente bem equipado para reconhecer maus hábitos”. Nos meses seguintes, outros jornais encontraram problemas semelhantes nos artigos publicados de Mori. No final, mais de 30 dos artigos de Mori foram retratados. “Esse foi o fim do meu período de ingenuidade”, disse Fang.

Das várias dúzias de artigos que Fang publicou nos últimos 5 anos, cerca de 1/3 tinham foco nos problemas da metaciência, incluindo investigações sobre as causas e consequências de retratação de pesquisas. Agora que está fazendo isso, Fang pensa em sua pesquisa de metaciência como um componente necessário para ser um cientista ativo. “Como editor-chefe da Infection and Immunity, eu senti que isso era uma oportunidade — talvez até uma responsabilidade — para pensar em importantes questões do dia”, ele diz.

Fang está em um pequeno mas tenaz grupo de cientistas que estudam a cultura da ciência acadêmica em paralelo a suas outras linhas de pesquisa. Esses projetos oferecem poucos benefícios quantificáveis na carreiras, como subvenções, prêmios ou promoções. Não obstante, cientistas que assumem esse trabalho dizem que esses projetos podem levar à aquisição de novas habilidade s e conhecimentos que os ajudam em seus papéis como pesquisadores. A motivação real, no entanto, bem como a recompensa potencial, reside em um desejo de melhorar a cultura da comunidade científica.

Começando

Como Fang, a incursão da antropóliga Kathryn Clancy’s na metaciência surgiu de uma experiência pessoal. Em 2011, uma amiga próximo disse a Clancy, professora assistente de antropologia na Universidade de Illinois, Urbana-Champaign, que ela teria sido atacada sexualmente enquanto fazia trabalho de campo como estudante de pós-graduação. Clancy discutiu a questão em seu blog pessoal, compartilhando duas histórias de mulheres, o que desencadeou uma conversa que reverberou em toda a blogosfera científica e mídias sociais. Dois estudantes de pós-graduação que viram as postagens de Clancy a convidaram a submeter uma proposta para um simpósio sobre a ética no gerenciamento de locais de pesquisa de campo para uma conferência, mas os revisores rejeitaram seu resumo — uma coisa que raramente acontece com simpósios convidados — porque seus dados vieram “apenas de blogs”. Clancy pensou que os dados quantitativos dariam mais projeção ao seu trabalho nessa área, então ela e outros vários pesquisadores colaboraram para conduzir um estudo de pesquisa e entrevistas mais formal, que eles chamaram de Survey of Academic Field Studies (SAFE). Eles descobriram que 64% das mulheres participantes relataram terem sido assediadas ou atacadas no campo. Clancy está trabalhando atualmente em várias sequencias do SAFE e também publicou um artigo sobre a importância de discutir raça e identidade nas ciências sociais.

Kathryn Clancy

Kathryn Clancy

Clancy também estava predisposta a pensar além de sua pesquisa principal. Sua experiência como trabalhadora e ativista pelos direitos da mulher durante a os anos de graduação a convenceram que, se ela continuasse pelo caminho acadêmico, ela precisava fazer isso “do jeito certo”, ela diz. Esse jeito, ela acredita, requer ser reflexivo. “Eu não vou apenas fazer pesquisas como cientista. Eu também vou fazer pesquisa crítica sobre ciênicia”, diz.

Para Jeremy Yoder, um bolsista de pós-doutorado no Departamento de Florestas e Ciências da Conservação da University of British Columbia, em Vancouver, sua pesquisa em metaciência sobre experiências de cientistas LGBTQA ( lésbicas, gays, bi, trans, questionadores ou “queer” e aliados ou assexuais) foi “a interseção dos interesses pessoais e acaso”, diz ele. Yoder, um homem gay, encontrou uma falta de dados quantitativos dobre a representação e experiências de indivíduos LGBTQA na ciência. Entender a perspectiva desses cientistas poderia ajudar a identificar soluções para melhorar as condições de trabalho de grupos subrepresentados ou marginalizados e Yoder percebeu que poderia intensificar e preencher essa lacuna. “Me ocorreu que seria um passo grande para fazer uma pesquisa online”, ele disse. Então, em 2013, ele se aliou a Allison Mattheis, um pesquisador em educação que ele conheceu quando ambos estavam na Universidade de Minnesota, para colocar isso em movimento.

O resultado desse tipo de projeto de pesquisa em metaciência tem o poder de melhorar a cultura e as práticas da ciência. O reconhecimento das barreiras enfrentadas por cientistas de grupos sub-representados pode informar os programas projetados para recrutar e reter esses cientistas. Compreendendo a prevalência e impacto de pesquisas enganosas pode levar a políticas mais efetivas para preveni-las. Então, se poderar sobre as questões do dia a dia é parte importante de ser um cientista, por que não há mais cientistas fazendo isso?

Oportunidades e riscos

Não há prêmios de prestígio ou subvenção para pesquisadores conduzindo esse trabalho de metaciência, mas para alguns praticantes a experiência criou oportunidades de carreira. Clancy diz que ela tem sido convidada para dar palestras sobre sua pesquisa de metaciência e o trabalho de Yoder deu a ele uma diversidade de prêmios no último ano da Universidade de Minnesota, onde ele começou sua pesquisa de metaciência. Além disso, assumir tais projetos demonstra uma forte ética no trabalho, excelente gerenciamento de tempo, uma paixão pelo avanço da ciência e habilidades maiores de análise — todas habilidades altamente desejadas em um candidato acadêmico.

Ferric Fang

Ferric Fang

Além disso, o trabalho em metaciência pode afiar habilidades simples dos pesquisadores, como a execução de um laboratório, observa Fang. “Eu não acho que [meu trabalho de retratação] faça alguém mais sucetível a me premiar com uma subvenção ou aceitar meu artigo”, ele diz, “mas isso definitivamente ajuda minha carreira me fazendo um mentor e um cientista mais crítico. Eu sou muito mais conciente do que costumava ser sobre o ambiente cultural que eu estabeleço em meu laboratório e quão apoiador eu sou”. Ele deixa claro a seus estudantes que ele valoriza o trabalho claro mais que tudo, mesmo que isso não produza os resultados sexy que vários laboratórios estão procurando. Fang acredita que criando um ambiente onde estudantes são encorajados a manter um equilíbrio razoável entre o trabalho e a vida e altos padrões éticos é bom para estagiários e prepara o cenário para gerações de ciência de qualidade.

Fang também diz que essa pesquisa em metaciência fez dele um cientista mais rigoroso. Depois de encontrar imagens fabricadas, ele tem um  cuidado especial em avaliar a apresentação dos dados e análises nos artigos que lê. “Eu estou mais crítico ao olhar figuras em artigos e não fico tão confiável que qualquer coisa que eu vejo deva ser verdade”.

Mas há vários efeitos negativos na carreira que podem surgir da busca no trabalho de metaciência. Um é o risco de colegas perceberem os metacientistas como menos dedicados a suas outras linhas de pesquisa. Normas científicas tradicionais determinam que esses cientistas, especialmente aqueles no início da carreira, devem manter o foco em uma área de pesquisa específica e limitada. Yoder diz que, embora não tenha hesitado em assumir seu projeto LGBTQA, que ele começou como pós-doutorado, ele ele definitivamente considerou possíveis consequências negativas para sua imagem como um cientista. “Na minha cabeça, eu não quero que [este projeto] pareça que está me distraindo do meu foco principal de pesquisa”, ele diz.

Jeremy Yoder

Jeremy Yoder

Agora que está se candidatando a cargos de professor efetivo, Yoder pensou cuidadosamente sobre como seu trabalho em metaciência se encaixa nos outros aspectos de sua carreira. Seu trabalho em LGBTQA  demonstra sua capacidade como professor e orientador, ele diz, e mostra sua dedicação para melhorar a diversidade na ciência. Mas ele reconhece que nem todo mundo deve ver isso dessa forma e ele está preparado para encontrar instituições que não apreciem a totalidade de sua pesquisa. Mas, diz ele, “se um comitê de pesquisa olha para o meu CV e pensa que eu não posso estar envolvido em trabalhos [LGBTQA], eu provavelmente não preciso estar nessa faculdade de qualquer maneira”.

Os metacientistas também criticam outra norma comum: que os “bons” cientistas se afastem do centro das atenções. Para o bem ou para o mal, pesquisas metacientíficas geralmente recebem atenção generalizada não apenas entre os cientistas, mas também entre a mídia e o público em geral. “Quanto mais você brilhar aos olhos do público, mais desdenhosamente seus colegas olharão para você”, explica Clancy citando Carl Sagan como um exemplo de um cientista brilhante que era adorado pelo público mas evitado por seus colegas. Quando o “Efeito Sagan” atinge cientistas populares para o público em geral, ele é percebido por seus colegas como menos sério e seu trabalho é visto como menos rigoroso.

Clancy diz que, embora alguns cientistas tenham agradecido a ela pelo seu trabalho expondo a prevalência do assédio e ataques sexuais no trabalho de campo, nem todos a apoiaram. “Infelizmente, vários dos meus colegas não veem essa pesquisa como pesquisa”, diz ela. “As pessoas pensam em mim como uma ativista em vez de uma estudiosa, ao invés de perceberem que essas coisas são intimamente entrelaçadas”.

“Recentemente, um colega me disse que eu estava realmente ‘animada’ neste momento, ela continua. “Mas esse mesmo colega nunca me convida para colaborar na pesquisa, mesmo quando eu sou uma especialista e seria perfeita para [o projeto]”. Ela foi abordada para colaborar em mais pesquisas sobre assédio e ataques sexuais, mas não em suas outras linhas de pesquisa. “Eu pensei que ganhar algum nível de notoriedade para [o artigo SAFE] faria com que as pessoas se aproximassem de mim ou quisessem colaborar comigo em minhas outras pesquisas também, mas isso não aconteceu”.

Está certo para você?

Ao invés de contar os prós e contras possíveis na carreira, metacientistas são motivados por um desejo de melhorar a cultura da comunidade científica, bem como sua própria pesquisa. Como essa pesquisa geralmente atiça críticas, os pesquisadores precisam ter uma pele grossa e um claro senso de propósito. Fang diz que encontrou respostas negativas de colegas que acreditam que o trabalho que é crítico aso processo científico dá munição para negadores da ciência. Fang entende esse ponto de vista, mas não o deixa ficar no caminho do seu trabalho. “Eu vejo a mim mesmo citado por criacionistas e negacionistas das mudanças climáticas”, ele diz. “Honestamente, eu apenas ignoro”. Ocultar críticas não é produtivo, ele diz, e não vai melhorar a ciência. “A melhor maneira de lidar com a situação como a temos é confrontá-la de maneira direta e transparente e fazer tudo o que nós podemos para torná-la mais robusta, mais confiável e identificar problemas que levem a pesquisas menos confiáveis ou menos válidas”. Ele vê seu trabalho em metaciência como uma importante peça nesse esforço.

Ainda assim, aspirantes a metacientistas devem estar conscientes das possíveis consequências e se preparar de acordo. Isso é especialmente verdadeiro para estudantes. Clancy aponta que a pós-graduação pode ser particularmente um “momento explorador e vulnerável”, durante o qual fazer pesquisas de metaciência controversas pode ser difícil, especialmente se orientadores e outros colegas em posições de poder não apoiam esse trabalho. Isso não quer dizer que é impossível que estudantes de pós graduação participem. Quando uma estudante se aproximou de Clancy para colaborar em um projeto de acompanhamento, Clancy inicialmente ficou nervosa com como um projeto pode interferir com a carreira dessa estudante, mas depois de observar a paixão da estudante, ela finalmente concordou com isso. “Foi tão importante [para a estudante] que ela fizesse isso que eu gostava que, ‘Okey, então, tô dentro'”, disse Clancy. Clancy também trouxe um de seus próprios estudantes para dentro de um projeto relacionado e espera que ela possa ajudar a proteger seus pupilos de qualquer reação ao seu trabalho.

Pesquisadores em todos os estágios da carreira também devem considerar se eles tem o tempo e esforço para dedicar a um novo projeto. Cientistas precisam encontrar um caminho para encaixar a metaciência entre uma miríade de outras responsabilidades: projetos de pesquisa existentes, aulas, orientação, redação, sono, para nomear uns poucos. Além disso, eles geralmente não recebem nenhum fundo adicional para investigar essas questões. Ao contrário, esses projetos são trabalhos de amor para os quais alguns cientistas escolhem arrumar tempo. “Eu acho que é pra isso que as noites e os finais de semana são”, diz Fang sobre sua pesquisa em metaciência. Yoder ecoa esse sentimento, observando que ele conseguiu juntar as partes do seu projeto LGBTQA em noites e finais de semana. Para enquanto, a sequencia que ele quer fazer ficou atrás de outros projetos e candidaturas de emprego. Ele pensa que é altamente provável que ele continue com o projeto eventualmente, mas isso dependerá de suas outras responsabilidades, ele diz.

Clancy sugere que os cientistas podem fazer uma lista de prós e contras para avaliar quanto fazer tal trabalho pode afetar suas carreiras. Alguns aspectos a considerar incluem a senioridade do pesquisador, gênero e raça, tudo o que pode complicar a política de falar claramente. Fang, Yoder e Clancy reconhecem que suas posições de relativo privilégio ajudam a pavimentar a estrada para eles para perseguirem audaciosamente a pesquisa metacientífica. Fang aponta que ele tinha mandato quando começou sua pesquisa de retração, então, ao contrário dos acadêmicos em início de carreira, era menos provável que seu trabalho afetasse futuras posições ou segurança no emprego. Para Clancy — uma branca, professora auxiliar  — “o privilégio me permitiu ser radical e barulhenta e irritada de uma forma que eu acho, olhando para trás, não ser possível para pessoas com identidades diferentes”. Yoder também sente que ele está em um “lugar bastante seguro” para discutir questões na ciência. “Eu sou um homem branco razoavelmente produtivo, mesmo que eu seja um homem branco gay. Eu não sei disso com segurança, mas eu suspeito que há uma inflexão diferente para mim ter um projeto paralelo como esse do que para alguém em um grupo onde coisas como quanto tempo você dispensa em sua pesquisa são policiadas muito mais”. Ele também tem tudo sorte por trabalhar com orientadores que proporcionam uma atmosfera de liberdade intelectual e apoio total para todas as facetas de seu programa de pesquisa, ele nota.

As ferramentas para o sucesso

Conduzir uma pesquisa metacientífica requer sair da zona de conforto acadêmica. Apesar de os cientistas serem bem treinados nas metodologias e analistas populares em seus campos, novos projetos geralmente os levam a um território incerto. “Definitivamente,eu tive que aprender novas habilidades durante ao caminho e tive várias pessoas que foram generosas ao me permitir consultá-las”, diz Fang. Yoder duz que ele também aprendeu muito dos colaboradores e que a perícia de Mattheis melhorou vastamente seu projeto. “Eu poderia ter feito muito deste trabalho sem falar com Alison primeiro, mas não poderia necessariamente ter produzido trabalhos publicados em um jornal revisado por pares”, ele diz. “Se você, como eu, é alguém que estuda coisas que não são humanas e você está interessado em estudar coisas humanas, você precisa necessariamente falar para as pessoas que fazem isso para viver”.

“Se você, como eu, é alguém que estuda coisas que não são humanas e você está interessado em estudar coisas humanas, você precisa necessariamente falar para as pessoas que fazem isso para viver” – Jeremy Yoder

Pesquisadores tem o treinamento e as ferramentas para aprender sobre um novo campo e as metodologias associadas, mas é muito difícil encontrar colegas dispostos a dedicar tempo e recursos preciosos para projetos novos exploratórios. O processo de procurar colaboradores na metaciência, como os projetos em si, é geralmente um misto de acaso e paixão compartilhada. Yoder e Mattheis eram amigos que aconteceu terem interesses compartilhados em pesquisar cientistas identificados como LGBTQA. Fang e o colaborador frequente Arturo Casadevall, um microbiologista e imunologista na Universidade ohns Hopkins em Baltimore, Maryland, se reuniram no conselho editorial do Infection and Immunity e e descobriram que ambos eram interessados em questões da metaciência. “A maneira que isso funciona é um de nós tem uma ideia sobre algo e dispara um e-mail, então nós começamos a colocar coisas no papel, nós lemos juntos, compartilhamos ideias”, diz Fang. Os colaboradores de Clancy também vem de cientistas de mentalidade semelhante em outros campos que a abordaram com novas ideias.

No fim, paixão é o que empurra esses projetos pra frente. Os pesquisadores pressionam apesar do potencial obstáculos na carreira, fazendo hora extra para buscar o trabalho que eles acreditam que pode fazer a diferença. Clancy, que será promovida no próximo ano, diz que ela considerou a possibilidade de que sua pesquisa metacientífica poderia afetar a revisão de sua promoção, mas isso nunca a fez ficar com medo de pular no trabalho que ela sente ser importante. “Se você não age como a pessoa que você quer ser sua vida inteira desde o começo, esperar até que você pule através desse aro em particular não fará de você uma pessoa diferente”, ela diz. “O que foi mais assustador para mim foi ‘eu vou apenas esperar até estabilidade para fazer XYZ’. Como organizadora de trabalho, conheci muitos professores que disseram isso e quando obtiveram estabilidade, eles não mudaram”. Ela também tem um sentimento forte de que esse trabalho foi o produto natural de anos de ativismo e organização trabalhista e seus interesses acadêmicos. “Para mim, começar esse projeto de pesquisa foi uma forma de completar o círculo. Isso me fez ser o pesquisador que eu queria ser — quem eu deveria ser”, ela diz.

Em última análise, todos os metacientistas compartilham a convicção de que seu trabalho é importante, apesar do que outros podem pensar. Se outros cientistas estão interessados ou não em buscar sua própria pesquisa metacientífica, eles serão inevitavelmente afetados pelas descobertas das pesquisas da metaciência, diz Fang. Clancy aponta que esse tipo de trabalho tem poder de permanecer e pode construir contribuições para a área para os próximos anos. “Mesmo que eu saia do meio acadêmico, o artigo SAFE estará lá fora, acumulando citações e ainda será lido por muitos estudantes da graduação”, ela diz.

Em sua raiz, a metaciência representa a pura forma da investigação científica: cavar profundamente um problema por pura cuirosidade. “Ser um cientista é, no nível mais fundamental, sobre ser capaz de estudar o que é excitante para você”, diz Yoder. “Se você vê algo como isso e sabe como acompanhar, você deve fazer”.

Fonte: Science Magazine
Tradução: Maurício Moura
Anúncios

Um pensamento sobre “Estudando a ciência da ciência

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s