CNBB desorienta jovens

A seguir, texto de Luã Cupolillo publicado no Jornal O Trabalho nº 734 (agosto/2013). No texto, Luã discute o Manual de Bioética distribuído pela CNBB durante a Jornada Mundial da Juventude. Já tratamos desse assunto aqui.

Luã é historiador e faz parte da coordenação nacional da Juventude Revolução. Foi diretor da UNE e coordenador geral do DCE da UFJF.

por Luã Cupolillo

Manual distribuído na Jornada da Juventude ataca direito ao aborto

Na jornada mundial da juventude católica, ocorrida no Rio de Janeiro, o Papa apresentou um discurso de modernização e tolerância para se aproximar da juventude. Discursos à parte, o que diz a cúpula da Igreja católica sobre questões que afetam diretamente a vida da juventude? O “manual da bioética” da fundação Jerome Lejeune, ligada à Igreja Católica e publicado no Brasil pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e distribuído aos inscritos da jornada, justificam as posições reacionárias da cúpula da Igreja com argumentos pseudocientíficos.

Ataque ao direito ao aborto

 No Brasil, como o aborto é criminalizado, exceto em casos de estupro, gravidez de risco ou bebês anencéfalos, a maior parte é realiza do de forma clandestina. O governo admite que o aborto é hoje a quinta causa de morte entre mulheres, e, segundo pesquisa do IBOPE em 2010, 1 em cada 5 mulheres já realizaram abortos. A maior parte é realizada por jovens entre 18 e 24 anos. Independentemente da vontade desta ou daquela visão religiosa, o aborto é largamente praticado no país. Clandestino, feito de modo inseguro, leva à complicações e à morte. Para condenar o aborto, inclusive em casos de estupro, o “manual da bioética” combina argumentos morais e científicos, sobre os quais não há consenso, como o de que a vida humana começaria com o embrião (surgido da fecundação do óvulo pelo espermatozoide).

As legislações sobre o direito ao aborto, presentes no manual original, como da França e Portugal, são baseadas em outra concepção cientifica, mais aceita, de que a vida humana tem início com o desenvolvimento do sistema nervoso.

Essas legislações, que respeitam o direito da mulher de decidir sobre o próprio corpo, foram cuidadosamente retiradas da versão brasileira.

Ataque aos métodos contraceptivos Ignorando o fato de que no Brasil o número de grávidas precoces ultrapassa os 17% do total de partos oficiais (IBGE), o manual condena o uso de contraceptivos, como os anticoncepcionais “tradicionais”, o DIU e a pílula do dia seguinte, como se fossem “abortivos”, quando, na verdade, são métodos utilizados para impedir a fecundação (não são abortivos nem de acordo com a concepção “oficial” da Igreja).

O manual que condena também a pesquisa com células tronco com embriões, já permitidas pela legislação brasileira, questiona até mesmo os exames pré natais (!), sob o argumento de que a descoberta de deficiências poderia incentivar o aborto.

Da teoria à prática contra o Estado Laico

 A religião é assunto privado, cada um tem o direito de ter suas próprias crenças, mas o manual é um desserviço à juventude. Setores liga dos à cúpula da Igreja querem impor suas concepções como regras a um Estado que deve ser laico, cujas leis e regras não devem se basear em concepções religiosas. Mas, além do famigerado “Estatuto do nascituro”, tramitando agora no congresso federal, um grupo ligado à igreja, denominado Pró-vida, esteve em audiência com a presidência da república para exigir que ela vete a lei que obriga o atendimento de mulheres vitimas de violência sexual em unidades básicas de saúde, e que permite o uso de pílulas do dia seguinte no tratamento, porque consideram essa lei “pró aborto”.


2 pensamentos sobre “CNBB desorienta jovens

  1. Ao contrário do que o texto acima diz, a cúpula da igreja deve de preocupar com regras e conceitos morais para os seus seguidores, e não para a sociedade em geral ou o Estado. Quem não é católico não deveria se preocupar com as sugestões da igreja, pois não precisam segui-la, bem como o estado não precisa. Condenar uma pessoa que não acredita no aborto, é o mesmo que condenar uma pessoa que acredita em Deus. É tudo questão de crença. Na minha opinião, quem concorda com o aborto que o faça, quem não, como os católicos, não o façam. Quanto ao Estado, este deve se basear no que a ciência diz, e deixar de lado opiniões religiosas.

    Curtir

    • Flaviano,

      O tal Manual de Bioética comete exatamente o crimes que você aponta: insta aos jovens a lutarem para impor seus valores morais para todas as outras pessoas, se utilizando do Estado para isso.

      Em outras palavras, o material produzido sob ordens do Vaticano e distribuído pela CNBB tem a intenção de obrigar a todos os seres humanos da face da Terra a professarem sua fé e seus valores sob pena de prisão e morte.

      Você também aponta a ciência como tarefa do Estado. Tem razão e esse é mais um erro do tal Manual, que tenta se travestir de ciência, para negar a própria ciência logo em seguida.

      Uma coisa importante: o perfil da mulher que aborta no Brasil é exatamente a católica. Veja: Brasileira que aborta é católica, casada, trabalha e tem filho.

      A defesa feita pelo Luã, pelo que eu entendo, é a mesma que a sua e a mesma que a República tem feito em sua história: a total separação entre Igreja e Estado. É exatamente essa a defesa do Livre Pensamento.

      Obrigado por sua contribuição.

      Porantim

      Curtir

Deixe uma resposta para Flaviano Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.