Exorcismo é bobagem!

Exorcismo é a prática de pretensamente expulsar demônios do corpo de pessoas “possuídas” por eles. É uma crença presente em várias religiões, mas especialmente marcante nas denominações cristãs pentecostais e neopentecostais, inclusive a Renovação Carismática, que é ligada à Igreja Católica.

Para quem vive no mundo real, o transtorno de “possessão” é um distúrbio mental ligado a um transtorno dissociativo de personalidade ou a alguns tipos de monomania.

Antes do ser humano começar a conhecer a mente até fazia sentido atribuir as doenças mentais a demônios e djins. Como tudo o mais, o humano atribuía ao desconhecido raízes mágicas e fantásticas. Só que o conhecimento humano sobre a mente já evoluiu bastante e já não faz o mais ínfimo sentido utilizar a fantasia como explicação.

Pior: os rituais de exorcismo são rituais geralmente violentos. Baseiam-se em causar desconforto físico ao “possuído”. São, assim, rituais onde as torturas física e psicológica são constantes e “aceitáveis”.

Sobre esse assunto, Penn & Teller fazem uma pesquisa em seu programa Bullshit! e formulam uma crítica bem humorada sobre a bobagem perigosa e violenta do exorcismo, apresentando dados estarrecedores sobre o tema.

Continuar lendo

Anúncios

Greg Graffin e o criacionismo

“Não posso concordar com
aqueles que rejeitam a evolução
em favor de uma
filosofia criacionista,
especialmente se eles baseiam
a sua rejeição na alegação
de que a autoridade religiosa
deve ter precedência
sobre ciência”

Greg Graffin

GRAFFIN, Greg; OLSON, Steve. Anarchy Evolution: Faith, Science, and Bad Religion in a World Without God. Harper Perennial. 2010.

Tradução: Maurício Sauerbronn de Moura

O que é sagrado? O sagrado é imune à crítica?

Tim Minchin é um ator, humorista e músico australiano. Em seus bem humorados shows musicais, Tim aborda constantemente temas como religião, pseudociências e fé. Ateu e cético, ele defende que nossa visão do mundo deva ser baseada na realidade, nos fatos.

Neste texto, parte de um show com a Heritage Orchestra no Royal Albert Hall, em Londres, Tim discorre sobre a compreensão do sagrado. O que faz um livro, um objeto ou um homem ser sagrado? São suas características intrínsecas ou é um conceito atribuído unicamente por um grupo de pessoas?

Qual o limite do respeito que deve ser cobrado sobre o “sagrado”? A Bíblia ou o Alcorão devem ser respeitados? E quanto às vacas, ratos, cobras, aranhas, gatos e outros animais sagrados em outras culturas? Se alguém pode ser morto por desenhar o Maomé, então também pode ser morto por comer carne de vaca?

No fim, Minchin dá um exemplo prático disso. O Papa é sagrado para alguns cristãos (há vários papas de várias igrejas e há igrejas que não acreditam na sacralidade do papa). Quando o Papa faz algo reprovável, temos o direito de criticá-lo? Ou  sua sacralidade o torna imune a críticas?

Continuar lendo

A Marselhesa anticlerical

Ilustração do livro “La Bible amusante”, de Léo Taxil (1882).

Em 1881, o militante anticlerical Leo Taxil escreveu uma música em defesa da laicidade e da democracia na França. A música usava a melodia de A Marselhesa e, por conta disso, ficou conhecida como A Marselhesa Anticlerical.

Seu objetivo central era propagandear a separação entre a Igreja e o Estado, ou seja, a laicidade.

Taxil na verdade era um dos pseudônimos do jornalista francês Marie Joseph Gabriel Antoine Jogand Pagès, que escreveu vários livros em que criticava o clero, principalmente o católico. Por defender que a moral não era uma verdade absoluta e que a Igreja não poderia ter o monopólio dessa verdade, Taxil foi condenado e seu jornal, “La Marotte”, foi proibido.

Taxil ficou conhecido por enganar a Igreja Católica por anos com uma história de uma tal Diana Vaughan que divulgava que a maçonaria era uma seita satanista. Inventou até um ídolo que seria adorado pela maçonaria: Baphomet. Ele sustentou a fraude de 1885 até 1897, convencendo, inclusive, o papa Leão XIII.

Continuar lendo

Diderot: razão e fé

Diderot

“Se a razão é uma dádiva do céu,
e se o mesmo
se pode dizer quanto à fé,
o céu nos deu dois presentes
incompatíveis e contraditórios.”

Denis Diderot

“Pensées Philosophiques” in: Œuvres de Denis Diderot, Volume 1 – Página 245, item V, Denis Diderot, Jacques André Naigeon – J.L.J. Brière, 1821
Imagem: Magixl

Karl Marx sobre a ilusão da felicidade

“O sofrimento religioso é
ao mesmo tempo
a expressão do
sofrimento verdadeiro
e um protesto contra
o sofrimento real.

A religião é o suspiro
da criatura aflita,
o coração de um
mundo sem coração,
é o espírito da situação
sem espírito.

A religião é o ópio do povo.

A abolição da religião como felicidade ilusória
é o que falta para sua verdadeira felicidade.

Pedir para que descartem as ilusões sobre sua situação
é pedir para que descartem a própria situação
que necessita de ilusões.

A crítica da religião, em seu âmago,
a crítica desse vale de lágrimas
da qual a religião é a auréola.

Essa crítica retirou as flores imaginárias das correntes dos homens,
não para que ele continue a usar essas correntes
sem consolo ou fantasia,
mas para que ele possa quebrar essas correntes
e então colher a flor viva.”

Karl Marx

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. Einleitung. Introdução. MEW 1, S. 378, 1844 MEW 1, p. 378, 1844

Neil deGrasse e Neil Gaiman: a ciência e o “Deus das Lacunas”

Neil deGrasse e Neil GaimanEste vídeo é um trecho do evento Vision & Brilliance, do The Connecticut Forum. Esse evento junta especialistas em diferentes áreas para como “um tempo para imaginar e pensar sobre tecnologia, ciência, design e o futuro”.

Neste encontro, moderado pelo apresentador do programa radiofônico Where We Live, John Dankosky, foram convidados Neil deGrasse Tyson, Neil Gaiman e Neri Oxman.

Neil DeGrasse Tyson é figura sempre presente aqui. “O mais popular astrofísico do Universo”, é um cientista constantemente entrevistado em vários programas. Já se tornou parte da cultura popular. Virou até meme!

Neil Gaiman é uma figura da cultura pop e dos quadrinhos. Autor de Sandman, Stardust e Deuses Americanos, Gaiman é, além de um grande autor, um pesquisador das religiões.

Neri Oxman, que só aparece neste trecho, mas não fala, é designer com grande interesse em materiais e formas da natureza. É diretora do MIT Media Lab e é fundadora do laboratório de desing MaterialEcology.

Neste vídeo, deGrasse e Gaiman discorrem sobre o limite entre a ciência e a religião e sobre o argumento que tenta justificar a existência do divino a partir daquilo que não conhecemos “ainda”.

Veja também o texto de Michael Shermer: Como a crença em extraterrestres e no Design Inteligente são similares.

Continuar lendo