Babeuf e a igualdade entre os homens

Gracchus Babeuf, nascido François Noël Babeuf (1760 – 1797), foi um trabalhador francês que participou da Revolução Francesa e foi assassinado pela sua defesa da igualdade entre os homens.

Em 1789, no início da Revolução Francesa, participa da redação de uma lista de reivindicações do povo, onde defende a igualdade radical entre todos os seres humanos. Adotou o nome Gracchus em homenagem a dois irmãos romanos (Tiberius e Gaius Gracchus) que militaram em defesa da reforma agrária.

Babeuf defendia que não bastava a igualdade de direitos (perante a lei), mas era necessária a igualdade nas condições de vida das pessoas. Para alcançar tal intento, defendia a abolição da propriedade privada.

“Quando o governo viola os direitos do povo, a insurreição é, para o povo e para cada porção do povo, o mais sagrado dos direitos e o mais indispensável dos deveres.”
Gracchus Babeuf

Após a queda de Robespierre e a contrarrevolução do termidor (que retornou a burguesia ao poder na França), Babeuf apoiou a criação de uma organização popular, conhecida como Conjuração dos Iguais. Os Iguais defendiam a igualdade efetiva, real, entre os homens na “comunidade dos bens e dos trabalho”, onde, todos teriam acesso aos bens produzidos por seu trabalho.

A Conjuração dos Iguais é considerada o primeiro partido socialista da história. O texto que apresento hoje é o programa desse partido. É o manifesto em que Os Iguais declaram seus princípios e seus objetivos e é a primeira declaração política de caráter socialista da história.

Continuar lendo

Einstein: tornando-me um livre pensador e um cientista

O texto a seguir foi extraído do livro Autobiographical Notes (ISBN 0812691792), produzido a partir de escritos de Einstein e traduzidos para o inglês por Paul Arthur Schilpp.

Estas notas foram a única tentativa de Einstein de fazer um rascunho de sua própria história e de suas percepções na juventude e do que o levou à ciência. É o testemunho de um homem que nunca se dobrou e se manteve crítico por toda a sua vida.

Neste trecho, o físico alemão discorre sobre sua descoberta do pensamento materialista, crítico e científico: o livre pensamento.

Há uma edição em português, da Nova Fronteira (ISBN  852091344x). Vale a pena.

Continuar lendo

Laura Snyder: A Sociedade do Café Filosófico

Laura Snyder é historiadora e professora do Departamento de Filosofia da Universidade St. John, em Nova Iorque. O centro da pesquisa de Laura é a história da filosofia da ciência, tendo sido presidente da Sociedade Internacional para a História da Filosofia da Ciência em 2009 e 2010.

Laura é autora dos livros Reforming Philosophy: A Victorian Debate on Science and Society (University of Chicago Press, 2006) e The Philosophical Breakfast Club. Four Remarkable Men (Random House, 2011). Esta palestra no TED é sobre esse último.

No início do século XIX, quatro homens se encontraram para discutir o futuro da ciência. Chamaram esse encontro de “café filosófico”. É dessas quatro personagens e deste encontro que esta palestra trata.

Veja outros vídeos do TED.

Continuar lendo

Atenção à Teoria

Em 1922, a editora do jornal Pravda passou a editar uma revista destinada à juventude russa com o objetivo de discutir a visão materialista em questões fundamentais de filosofia, ciências sociais e ciências naturais. A revista era chamada Pod známenem marksizma (Sob a bandeira do marxismo) e foi editada de março de 1922 até junho de 1944.

A primeira edição da revista publicou uma carta enviada por Leon Trotsky em que este saúda a iniciativa de publicar uma revista teórica filosófica e socioeconômica e enfatiza a necessidade de ligar a teoria e o pensamento materialista à prática do dia a dia.

É esta carta que reproduzo a seguir.

Continuar lendo

A Comuna de Paris e a laicidade do Estado

Pra comemorar esses 142 anos da Comuna de Paris, publico este decreto proposto por  Félix Pyat e publicado em 3 de abril. Tal decreto é a fundação do Estado Laico, da separação entre a Igreja e o Estado e da verdadeira liberdade de consciência e culto.

A imagem acima é La Liberté guidant le peuple (A Liberdade guiando o povo), pintada por Eugène Delacroix em homenagem à Revolução Francesa. Hoje está exposto no Museu do Louvre.

Continuar lendo

August Landmesser: a coragem de pensar independente

A foto acima foi tirada em 1936, no porto de Hamburgo, durante o batismo do navio-escola alemão Horst Wessel. No meio de centenas de pessoas que faziam a saudação romana (adotada pelos nazistas), um trabalhador hamburguês agiu conforme a sua consciência e cruzou os braços.

Continuar lendo